ALIMENTO DIÁRIO

PROVÉRBIOS 25: 8 – 10

Alimento diário

MAS DE PRUDÊNCIA

 

I – Aqui há um bom conselho a respeito de recorrer à lei:

1. Não te apresse em iniciar uma ação judicial, antes de ter considerado a questão e ter consultado os teus amigos sobre isto. “Não te apresses a litigar”; não inicie uma ação judicial acaloradamente, ou na primeira impressão de direito do teu lado, mas pondere a questão deliberadamente , porque nós somos propensos a ser parciais na nossa própria causa; considere a certeza dos custos e a incerteza do sucesso, quanta irritação e preocupação resultarão da ação, e, afinal, a causa poderá se voltar contra você; certamente, então, não deveria ter se apressado a litigar.

2. Não inicie uma ação antes de ter tentado encerrar o assunto de maneira amistosa (v. 9): “Pleiteia a tua causa com o teu próximo mesmo”, e talvez vocês se entendam melhor, e vejam que não há motivos para recorrerem à lei. Nas disputas públicas, a guerra, que deve, por fim, terminar, poderia ter sido evitada através de um tratado de paz, e uma grande quantidade de sangue e recursos seria poupada. Assim é nas disputas privativas: não processe o seu próximo como um pagão e publicano, até que tenha dito a ele qual foi o seu erro, somente entre você e ele, e até que ele tenha se recusado a examinar o assunto ou de chegar a um acordo. Talvez o motivo da divergência seja um segredo, que não deve ser divulgado a ninguém, e muito menos trazido à presença da nação; portanto, encerre a questão em particular, para que não seja revelada. Não descubras o segredo de outro, segundo alguns. Por vingança, e para trazer desgraça ao seu adversário, não revele aquilo que deve ser mantido privado e que não pertence à causa.

 

II – Salomão apresenta duas razões pelas quais nós devemos ser cautelosos para iniciar ações judiciais:

1. Porque a causa poderá ter resultado contrário a você, e você não saberá o que fazer, quando o réu tiver se justificado naquilo de que você o acusou, e terá mostrado que a sua queixa era frívola e vergonhosa, e que você não tinha causa justa para a ação, e assim envergonhará você, forçando-o a pagar as custas, e tudo isto poderia ter sido evitado, ponderando um pouco a questão.

2. Porque será muito vergonhoso para você se for caracterizado como litigioso. Não somente o próprio réu (v. 8), mas também aqueles que ouvem a causa julgada envergonharão e criticarão você, expondo-o como um homem sem princípios, e a sua infâmia não diminuirá: você nunca recuperará a sua reputação.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.