ALIMENTO DIÁRIO

PROVÉRBIOS 25: 2 – 3

Alimento diário

MÁXIMAS DE PRUDÊNCIA

 

V. 2 e 3

Aqui temos:

1. Um exemplo da honra de Deus: “A glória de Deus é encobrir o negócio”. Ele não precisa investigar nada, pois conhece perfeitamente tudo, com uma visão clara e segura, e nada pode ser oculto dele; no entanto, “pelo mar foi seu caminho, e suas veredas, pelas grandes águas”. Há uma profundeza insondável nos seus conselhos (Romanos 11.33). E apenas uma pequena porção que é ouvida sobre Ele. Nuvens e trevas estão à sua volta. Nós vemos o que Ele faz, mas não conhecemos as razões. Alguns associam isto aos pecados dos homens; é sua glória perdoar o pecado, ou encobri-lo, não lembrá­lo, não mencioná-lo; a sua tolerância, que Ele exerce com os pecadores, provavelmente é a sua honra, em que Ele parece manter silêncio e não tomar conhecimento do assunto.

2. Um duplo exemplo da honra dos reis:

(1) É a glória de Deus o fato de que Ele não precisa investigar um assunto, porque o conhece sem sondar; mas é a honra dos reis, com muita dedicação e com o uso de todos os métodos de investigação, investigar os assuntos que são trazidos diante deles, e se esforçar para examinar os transgressores, para que possam descobrir seus desígnios e trazer à luz as palavras ocultas das trevas, não julgar precipitadamente ou até ter avaliado as coisas, não deixando inteiramente a cargo dos outros esse exame, mas ver as coisas com seus próprios olhos.

(2) É a glória de Deus que Ele mesmo não possa ser descoberto por investigação, e um pouco dessa honra é devolvida aos reis, reis sábios, que investigam as questões; os seus corações são insondáveis, como a altura dos céus ou a profundeza da terra, que podemos imaginar. mas não medir. Os príncipes têm seus segredos de estado, projetos que são mantidos privativamente, e razões de estado, que as pessoas não podem julgar de maneira competente, e por isto não devem se intrometer neles. Os príncipes sábios, quando investigam um assunto, têm faculdades que os homens comuns não podem sequer imaginar, como Salomão, quando pediu uma espada para dividir a criança viva, com a intenção de descobrir a sua verdadeira mãe.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.