ALIMENTO DIÁRIO

PROVÉRBIOS 21: 21 – 24

Alimento diário

MÁXIMAS DIVERSAS

 

V. 21 – Veja aqui:

1. O que significa fazer da religião a nossa ocupação: é seguir ajustiça e a bondade, não nos contentarmos com fáceis realizações, mas fazer o nosso dever com o máximo cuidado e esforço, como os que temem não conseguir realizar o que devem. Devemos agir com justiça e amar a misericórdia, e devemos proceder e perseverar desta maneira; e, ainda que não possamos alcançar a perfeição, ainda assim será uma consolação para nós, se a buscarmos e a seguirmos.

2. Qual será a vantagem de fazer isto: os que seguem a justiça encontrarão justiça; Deus lhes dará a graça para fazer o bem, e eles terão o prazer e a consolação de fazê-lo; os que se preocupam em ser justos com os outros terão o prazer e a consolação de fazê-lo; os que se preocupam em ser justos com os outros serão tratados com justiça pelos outros, e os outros serão bondosos com eles. Os judeus buscaram a justiça, e não a encontraram, porque a buscaram de maneira errada (Romanos 9.31). Por outro lado, buscai, e achareis, e com ela, encontrareis vida e honra, a vida e a honra eternas, a coroa da justiça.

 

V. 22 – Observe:

1. Aqueles que têm poder são propensos a prometer grandes coisas a si mesmos, através do poder que possuem. A cidade dos fortes se julga inexpugnável, e por isto a sua força é a sua confiança. aquilo de que ela se vangloria e em que confia, desafiando o perigo.

2. Os que têm sabedoria, ainda que sejam modestos a ponto de não prometerem muito, frequentemente realizam grandes coisas com esta sabedoria, ainda que de uma forma contrária a todos aqueles que são tão confiantes em sua própria força. A boa conduta irá longe, mesmo contra grande força; e um estratagema, bem administrado, pode invadir a cidade dos fortes e derrubar a força em que eles tinham tal confiança, um homem sábio ganhará o afeto do povo e o conquistará pela força da razão, uma conquista que é muito mais nobre do que aquela obtida pela força de armas. Os que entendem o seu interesse se submeterão de bom grado a um homem sábio e bom, e os muros mais fortes não resistirão a eles.

 

V. 23 – Observe:

1. É nosso grande interesse proteger a nossa alma de dificuldades, impedir que se enredem em armadilhas e perplexidades, e que se inquietem com problemas, de modo que possamos preservar a posse e o prazer do nosso próprio ser, e de modo que a nossa alma possa estar em condições de servir a Deus.

2. Os que desejam proteger suas almas devem manter a vigilância junto à porta de seus lábios, devem guardar a boca com temperança, para que nenhum fruto proibido entre nela, nem águas furtadas, e que nada seja comido ou bebido em excesso; devem guardar também a língua, para que nenhuma palavra proibida saia pela porta de seus lábios, nenhuma comunicação corrupta. Com constante vigilância sobre as nossas palavras, evitaremos a abundância de danos aos quais uma língua descontrolada leva os homens. Guarda o teu coração, e isto guardará a tua língua do pecado; guarda a tua língua, e isto guardará o teu coração de angústias.

 

V. 24 – Veja aqui os danos da soberba e da arrogância.

1. Elas expõem os homens ao pecado; elas os tornam inflamados, e acende neles o fogo da indignação e soberba. Eles estão continuamente cuidando desse fogo, como se fosse sua profissão ser irados, e não tivessem nada mais para fazer além de intercambiar paixões e trocar palavras amargas. Grande parte da ira que inflama os ânimos e as sociedades dos homens se deve à indignação e à soberba. Os homens não conseguem suportar o menor desprezo, nem ser contrariados ou contraditos em qualquer coisa, a ponto de perderem o bom humor, e se inflamarem, imediatamente. De igual maneira, isto os torna insolentes, quando estão irados, muito cruéis com suas línguas, insolentes com os que estão acima deles, e imperiosos com os que estão à sua volta. Somente pela soberba vem tudo isto.

2. Elas expõem os homens à vergonha. Com isto, eles obtêm uma má reputação, e todos os chamam de soberbos e presumidos, e ninguém, por­ tanto, se interessa em ter alguma coisa a ver com eles. Se os homens apenas levassem em consideração a sua reputação, e a credibilidade de sua confissão, e o quanto estas sofrem com a soberba, não seriam indulgentes com ela, como são.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.