GESTÃO E CARREIRA

AS COMPETÊNCIAS DE FORÇA E PODER

Não há modelo perfeito nem existe padrão que não possa ser alcançado. Tudo vai depender da capacidade de comprometimento de cada um e a real vontade de mudar.

As competências de força e poder

Qualquer indivíduo que atua profissionalmente em algum setor deseja, ao menos, se manter em sua posição. Já outros pensam em progredir, crescer dentro de sua área de conhecimento e, quem sabe, alcançar outras possibilidades de aplicação de suas habilidades: desenvolvimento profissional.

Já sabemos que para uma caminhada segura dentro de qualquer organização, e mesmo fora, é necessário um mínimo de organização e competência. Isso é o básico. Qualquer pessoa que preencher esses requisitos poderá desfrutar de uma vida produtiva e tendo os seus méritos por isso durante toda sua carreira.

Os que desejam mais devem ter em mente que uma progressão funcional só ocorre quando a organização, ou seu público-alvo, percebe que existe uma diferença entre você e os demais que compõem seu grupo de trabalho ou concorrência. O que faz essa diferença? Como ela pode ser percebida?

As estantes de autoajuda nas livrarias estão cheias de títulos que prometem o gigantismo de qualquer um em apenas algumas poucas lições. É fato que um protocolo bem estabelecido é muito bem-vindo e que também é possível moldar um comportamento para colher resultados.

No entanto, a prática pode ser difícil, e regras conhecidas, mas não aplicadas no dia a dia não resolvem muita coisa. Mudar pode até ser fácil, por um dia, manter as melhorias no cotidiano, de forma inconsciente e natural, é o grande segredo.

Óbvio que isso tem tudo a ver com a personalidade de cada um. Algumas pessoas são naturalmente líderes e terão um caminhar mais suave no ambiente produtivo do que outras.

Então, antes de mais nada, é necessário saber o nível de comprometimento que uma pessoa pode dispor para um investimento em seu próprio desenvolvimento pessoal. Qual a capacidade de imprimir esforço e energia em prol de uma real mudança no escopo comportamental e emocional?

Nesse momento devemos separar dois conceitos que fazem toda diferença nos resultados: força e poder.

No começo de qualquer tipo de mudança é necessário impor uma certa quantidade de força. Ocorre que nossa mente adora uma novidade, mas detesta uma mudança. O conformismo instalado após anos pensando: “somos assim!” quer persistir e dificultar a aceitação da afirmação mais verdadeira: “estamos assim!”. Dessa forma, a imposição da força para estabelecimento de novas rotinas é fundamental para que em algum tempo ocorra a transformação que irá gerar o objeto desse esforço: o poder.

Quando se normatiza um modelo de ser, o entorno reage. A reação do mercado, dos colegas de trabalho, dos gestores, dos concorrentes, dos familiares e amigos será na igual medida da força empreendida para a real mudança. Será que vale o sacrifício?

De fato, qual o modelo que pretende alcançar? É preciso levar em conta o tempo necessário para o preparo das habilidades imprescindíveis. Alguns modelos podem levar anos para serem plenamente alcançados, e as limitações de cada um devem ser levadas em conta.

Por isso, metas possíveis e alcançáveis devem ser programadas até o objetivo final. Caso isso não seja mensurado, a probabilidade de desistência do processo é muito alta. O que pode dar alívio aos que pretendem se aventurar com magnitude em uma real alteração de padrão é que, uma vez estabelecido, o modelo permanece.

O bom projeto de crescimento deve ter etapas bem estipuladas. Pequenos passos, mas passos firmes em direção ao perfil que se deseja incorporar. A programação neurolinguística (PNL) dá nome a esse processo: modelagem. Nossa abordagem em pessoa que possui o poder que desejaríamos para nós serve de modelo a ser copiado.

Uma análise das características dessa pessoa-alvo separando os detalhes: postura, movimentos, timbre de voz, vocabulário, padrão emocional, entre outros aspectos que podem ser vistos exteriormente.

Outra forma é criar o seu próprio projeto se apoiando nas qualidades já existentes. Há bons testes psicológicos que podem ajudar muito quem deseja investir em si mesmo. Nesse caso, um profissional psicólogo pode ser bastante útil no alinhamento dessas possibilidades latentes que todos temos em diferentes níveis.

Dificilmente um indivíduo que alcança patamares diferenciados, galgando degrau por degrau, retorna em queda livre. O crescimento sólido e custoso é sempre bem alicerçado. Já os que recebem, sem esforço, posições diferenciadas – por sorte ou azar – podem encontrar muita dificuldade de se manter no topo e, muitas vezes, a decadência ocorre com brevidade.

O dia de amanhã terá a mesma quantidade de horas que todos os dias passados em nossas vidas. A diferença virá de acordo com a utilização dessa plataforma de trabalho chamada tempo.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.