ALIMENTO DIÁRIO

PROVÉRBIOS 17: 20 – 24

Alimento diário

A TOLICE E A INIQUIDADE

 

V. 20 – Observe:

1. Tramar perversidades não será vantajoso para nós; não se obtém nada com elas: O perverso de coração, que semeia discórdia e é cheio de ressentimentos, não pode se prometer que vá obter o suficiente para contrabalançar a perda do seu repouso e da sua reputação, nem poderá ter nenhuma satisfação racional com isto, e assim sendo, nunca achará o bem.

2. Usar de palavras más será uma grande desvantagem para nós: O que tem a língua dobre, perversa e cruel, maledicente e vulgar, virá a cair no mal, uma maldade após outra, ele perderá seus amigos, provocará seus inimigos, e trará problemas à sua própria cabeça. Muitos têm pago muito caro por uma língua sem controle.

 

V21 – Isto expressa muito enfaticamente o que muitos homens sábios e bons sentem profundamente: a sensação angustiosa que é ter um filho tolo e ímpio. Veja aqui:

1. Quão incertas são todas as nossas consolações de criaturas, de modo que frequentemente não somente somos desapontados por elas, como aquilo em que nos prometemos maior satisfação frequentemente acaba sendo o nosso maior fardo. Havia alegria quando um filho de homem nascia neste mundo, mas, se ele fosse ímpio, seu próprio pai desejaria que ele nunca tivesse nascido. O nome Absalão significa a paz de seu pai, mas foi o seu maior problema. O fato dos filhos poderem ser uma angústia para seus pais deveria moderar o desejo de ter filhos, e o prazer dos pais pela vida deles; mas no caso em que um filho é um tolo, o fato dele ser um tolo gerado por seu pai deveria silenciar as queixas do pai aflito, e, por isto, ele deve fazer o melhor que puder pelo seu próprio filho, e assumi-lo como a sua cruz, particularmente porque cada homem gera filhos à sua própria semelhança.

2. Quão tolos somos nós, em permitir que uma aflição (e a de um filho insensato, tão provavelmente como qualquer outra ) sufoque a percepção de mil bênçãos. O pai do insensato não se alegrará com nada mais. Porém ele pode ser grato a Deus, pois há alegrias suficientes para contrabalançar até mesmo esta tristeza.

 

V. 22 – Observe:

1. É saudável ser alegre. O Senhor é, para o corpo, e providenciou para ele, não somente alimento, mas remédio, e aqui nos disse que o melhor remédio é um coração alegre, não um coração viciado em alegrias vãs, carnais, sensuais; o próprio Salomão disse, sobre esta alegria: Não é remédio, mas desvario; não é alimento, mas veneno; de que serve? Mas ele se referia a uma sincera alegria em Deus, e servi-lo com contentamento, e então receber a consolação dos prazeres externos, e particularmente a alegria de um modo de vida agradável. É uma grande misericórdia que Deus nos dê permissão de sermos alegres, e causas para sermos alegres, especialmente se pela sua graça, Ele nos der corações para sermos alegres. Isto faz bem a um remédio (assim alguns interpretam); tornará o remédio mais eficiente. Ou faz bem como um remédio para o corpo, tornando-o adequado para o trabalho. Mas, se a alegria for um remédio (com o significado de diversão e recreação), deve ser usada com parcimônia, e somente quando houver oportunidade, não deve ser convertida em alimento, mas deve ser usada de maneira medicinal, como uma dieta prescrita.

2. As tristezas da mente frequentemente contribuem, em grande parte, para as doenças do corpo: o espírito abatido, oprimido pelas aflições, e especialmente uma consciência ferida com a sensação da culpa e o temor da ira, virá a secar os ossos, exaurindo a própria medula óssea, e tornando o corpo um mero esqueleto. Devemos, portanto, vigiar e orar contra todas as disposições melancólicas, pois elas nos levam a problemas, e também à tentação.

 

V23 – Veja aqui:

1. Que coisa terrível é o suborno: O ímpio tira o presente (ou “suborno”) do seio, para dar um falso testemunho, veredicto ou juízo; quando faz isto, ele se envergonha disto, pois tira o presente com toda a discrição imaginável, do seio onde sabe que já está preparado para ele; ele está escondido habilmente, e de maneira tão furtiva que, se pudesse, ele o esconderia da sua própria consciência. Um presente é tirado do seio de um ímpio (assim alguns interpretam); pois é um homem mau o que dá subornos, e também o que os aceita.

2. Que coisa poderosa é o suborno. Ele tem tal força que perverte as veredas da justiça. O curso da justiça não somente é obstruído, mas é também convertido em injustiça; e as maiores injustiças são feitas com o pretexto de se fazer justiça.

 

V. 24 – Observe:

1. Deve ser considerado inteligente aquele que não somente tem sabedoria, mas que a tem pronta para uso, quando chega a oportunidade de utilizá-la. Ele coloca a sua sabedoria diante de si mesmo, como sua bússola, pela qual se orienta, tem sempre seus olhos sobre ela, assim como aquele que escreve tem a sua cópia; e ele a tem diante de si; não para procurar, mas à mão.

2. Aquele que tem uma mente volúvel, um capricho divagante, nunca será adequado para nenhum trabalho sadio. É um louco, e não serve para nada, é alguém cujos olhos estão nas extremidades da terra, aqui, ali, em todas as partes, em qualquer lugar, menos onde deveriam estar; os tais não conseguem fixar seus pensamentos em nenhum assunto especifico, nem buscar nenhum propósito com alguma firmeza. Quando a sua mente deveria se aplicar ao seu estudo e às suas atividades, ela se enche de mil coisas, alheias e irrelevantes.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.