GESTÃO E CARREIRA

TUDO JUNTO E MISTURADO

Conheça o conceito Full Hub e como ele pode otimizar todos seus processos de e­commerce, além de oferecer um cafezinho.

tudo junto e misturado

O coworking já é sucesso entre os pequenos e médios empreendedores. Agora imagine o mesmo conceito aplicado à logística de quem trabalha com e-commerce. Esse é o Full Hub, que está chegando ao Brasil e centraliza, no mesmo espaço, infraestrutura, parcerias e serviços necessários para o segmento. Dessa maneira, as empresas podem não apenas operar sem terceirizações, como também aumentar a competitividade.

A Ulock – Self Storage é a primeira a adotar o conceito no País e inaugurou sua estrutura voltada ao comércio eletrônico, para que outros empreendimentos do setor possam se instalar e ganhar em escala, produtividade e flexibilidade. “Surgiu com uma demanda do segmento de e-commerce, que não dispunha de locais adequados de escritórios e armazenagem de qualidade e profissional. A Ulock então criou espaços de self storage e coworking para suprir tais necessidades. Uma evolução desta percepção foi a identificação de outras carências do setor, como falta de espaço para logística (manuseio, empacotamento, estacionamento de caminhões), acesso a meios de envio de mercadorias com valores competitivos, networking mais intenso e qualificado entre empresários do mesmo setor e mentoring específico para comércio eletrônico. A Ulock, então, incorporou essas e outras carências à estrutura existente e criou o conceito em que uma empresa de e-commerce tem todas as suas demandas atendidas para operar no mesmo local”, explicam os diretores da Ulock, Marcelo Nicoli e Welson Bolognesi.

Isso significa que, no mesmo lugar, o empreendedor encontra estações de trabalho, salas privativas e de reuniões, auditório e sala de descompressão – como em um coworking convencional. Mas, além disso, há ainda área de armazena­ mento de estoque, empacotamento, recebimento e despacho de mercadorias – que normalmente demandam custos extras e um trabalho cuidadoso de organização por parte da empresa. Além de tudo isso, o fato de ter diferentes negócios no mesmo ambiente ajuda a desenvolver parcerias importantes para alavancar as atividades, incluindo transportadoras, empresa de marketing digital, mentoring e participação em eventos.

Essa centralização ajuda a atingir a meta mais importante: o bom atendimento ao consumidor. “Com a retomada da economia, o varejo on-line deve ter chegado ao fim do ano de 2018 com um crescimento próximo de 15%, e a volta da confiança do consumidor promete um ano de 2019 de muitos frutos para todo mundo que trabalha com varejo on­line. Então, a dica é que foquem seus esforços no atendimento do consumidor, pois será esse o diferencial para que o cliente seja fiel à sua marca, volte a comprar na sua loja e aumente a sua venda, sem aumentar seu custo com aquisição e marketing’, aconselha o vice-presidente de Vendas da Vtex (plataforma de cloud commerce), Felipe Dellacqua.

A IDEIA É BOA. COMO FAÇO?

Se você gostou do conceito e quer fazer parte, o investimento inicial é zero, como explicam os diretores da Ulock: “a empresa somente vai pagar um aluguel mensal pela estação de trabalho e box, podendo diminuir ou aumentar sua utilização a qualquer momento. Os contratos são mensais e não possuem multa de saída. Temos boxes de diversos tamanhos (de 4,5m2 a 135 m2) e várias configurações de espaços de trabalho, indo de uma única estação de trabalho a uma sala comercial privativa para 11 pessoas. Com menos de R$ 1.000,00por mês, já é possível usufruir de espaço de armazenamento e estação de trabalho na empresa”.

Além das vantagens mais óbvias, o fato de você estar em um ambiente com instalações agradáveis, com recepcionistas profissionais, salas de reuniões, copa, café e outros ajuda no dia a dia e facilita o foco da atuação, com conforto. “E aquele papo informal no café com profissionais que podem lhe dar uma dica preciosa ou mesmo compartilhar uma boa prática não tem preço”, completam.

Se você quer adotar o conceito para sua empresa, mas ainda está em dúvida, é preciso primeiro olhar para seu negócio de maneira ampla. Visite o espaço de operações e entenda o que ele tem a oferecer. Reflita sobre questões pontuais que farão toda diferença:

– Meu local é adequado para o meu trabalho atualmente? E para o futuro?

– Consigo receber transporte de forma adequada e segura ou tenho de sair na rua com caixas na mão e colocar dentro do caminhão?

– Meus funcionários (e eu mesmo) trabalham em um local confortável?

– Quanto tempo perco administrando limpeza, manutenção, água, café, recepção, organização de salas?

– Como está a qualidade do meu networking no sentido de ter uma rede de parceiros de qualidade e que possam colaborar diretamente para o crescimento de minha empresa?

– Hoje, se a demanda aumentar de forma repentina, qual o investimento que preciso ter para ser mais competitivo? E se a demanda diminuir?

Segundo os diretores do Ulock, podemos observar ganho em produtividade durante o transporte de produtos. Em um conjunto comercial convencional, os horários são bastante limitados para receber fornecedores, transportadores e outros. Outro exemplo de ganho em produtividade é a facilidade na comunicação e a rapidez na resolução de problemas diários da operação, uma vez que está tudo no mesmo ambiente.

Considerando ainda os gastos compartilhados de serviços rotineiros, a redução de custos pode chegar a 30% ou mais, dependendo do mercado de atuação. “Há algumas empresas no mercado que executam pedaços da operação de e-commerce. Outras excutam todas as operações no conceito já conhecido de Full Commerce. O conceito Full Hub que criamos é inovador no mercado brasileiro e diferente do tradicional Full Commerce por se tratar de um ambiente em que o empresário continua com o controle da operação direta do seu negócio e aproveita toda a infraestrutura e condições disponíveis para ganhar escala, sem necessariamente terceirizar atividades”, concluem.

OUTRAS FERRAMENTAS

Algumas ferramentas e plataformas também são importantes no momento de organizar seu negócio de e-commerce. A Vtex, por exemplo, traz soluções digitais que aumentam taxas de conversão e diminuem custos operacionais, fidelizando assim os consumidores. Com clientes como Sony, Walmart. Danone, Whirlpool. Coca-Cola, Lancôme, Avon e Lego, traz praticidade para o momento da venda. “A Vtex não trabalha com logística. Somos uma empresa de tecnologia para o varejo omnichannel , que tem evoluído para que as lojas se tornem o que chamados de ‘Phygital’, uma união do físico com o digital. Dessa forma, além de ser ponto de experiência e relacionamento com o consumidor, você passa a ser um centro de distribuição do e-commerce e um ponto de retirada, seja de produtos que já estão na loja ou produtos que sairão de outra loja ou do próprio centro de distribuição do e-commerce. Assim, integramos todas as fases do físico e do digital em um só local, levando capilaridade, economia em larga escala e principalmente escala”, explica Dellacqua.

Considerando que o custo fixo pode ser um dos grandes problemas do varejo on-line – principalmente quando precisa escalar serviços como armazenagem e logística -, é recomendado que o varejista on-line terceirize esses serviços para uma otimização dos processos. Dessa maneira, seu empreendimento pode focar os diferenciais do negócio diante de concorrentes e não se preocupar com questões de execução. Nesse ponto, o Full Hub entra novamente como uma tendência de solução.

Outros detalhes podem melhorar ainda mais seu atendimento. O recurso de voz é um deles, como aconselha Felipe Dellacqua. “Recursos como esses estão cada vez mais avançados e se tomando comum no universo do e-commerce, no qual apps integrados com assistentes de voz ajudam a fazer compras apenas pelo comando. No Brasil, podemos ver o caso da Bonafonte, em que você pode fazer uma compra por voz e receber a água em casa”, conta.

A tendência do voice shopping cresce ainda mais rapidamente que o mobile shopping. Segundo Dellacqua, estima­ se que, até 2022, o volume transacionado por assistentes de voz será de US$ 40 bilhões. Hoje, são mais de 1 bilhão de buscas por voz realizada mensalmente, em um mercado de assistentes de voz que cresce 48% ao ano. Além disso, aproximadamente 25% dos consumidores já preferem esse tipo de recurso a sites de compras e aplicativos.

tudo junto e misturado. 2 VEIO PARA FICAR

INFRAESTRUTURA ADEQUADA

As micro, pequenas e médias empresas têm à disposição estrutura de grandes corporações, que vai desde recepção profissional até estrutura logística para manuseio e rápidas entregas em todo o País.

 

MENTORING E NETWORKING VOLTADOS PARA O SETOR

AUMENTO DE COMPETITIVIDADE

Identificou-se que muitos dos empresários com os quais há contato não têm porte para ter acesso a transportadoras e parceiros logísticos. Outros, quando conseguem ser atendidos, pagam “valor cheio” de transporte para enviar seus produtos, tendo sua competitividade prejudicada. No Full Hub, é possível formar uma rede com volume suficiente para atrair fornecedores.

 O E-COMMERCE ESTÁ PARA PEIXE?

“O e-commerce é um mundo de oportunidades. Porém, demanda planejamento a longo prazo. Devido à facilidade e ao acesso a novas tecnologias, ficou barato montar uma operação on-line, mas se manter on-line é o grande desafio”, lembra Felipe Dellacqua. Com toda a parte estratégica solucionada, o próximo passo é escolher um bom mix de produtos com preços competitivos. A relação investimento e lucro vai depender muito de dois fatores essenciais: o produto comercializado – considerando a margem que ele permite para venda – e o long time value do cliente, ou seja, qual a frequência de compra de uma mesma pessoa. A segurança também é crucial na rotina de seu negócio.

Vale lembrar que existem mais de 60 milhões de consumidores on-line no Brasil, o que representa mais de 50% do total de usuários de internet no País. Desse total de consumidores, há uma divisão muito similar entre faixas etárias de 25 a 34 anos, de 35 a 49 anos e acima de 49 anos. Um percentual ainda pouco expressivo de consumidores com menos de 24 anos merece atenção como público potencial. As classes sociais que compram pela internet vão de A a E, o que mostra a popularização do e-commerce.

 

PALAVRA DO ESPECIALISTA

O que é o conceito Full Hub?

“O conceito Full Hub que criamos é inovador no mercado brasileiro e diferente do tradicional Full Commerce por se tratar de um ambiente em que o empresário continua com o controle da operação direta do seu negócio e aproveita toda a infraestrutura e condições disponíveis para ganhar escala, sem necessariamente terceirizar atividades” MARCELO NICOLI e WELSON BOLOGNESI, diretores da Ulock – Self Storage

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.