ALIMENTO DIÁRIO

PROVÉRBIOS 8: 12-21

Pensando biblicamente

Os benefícios da sabedoria

 

A sabedoria aqui é Cristo, em quem estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência; é Cristo na Palavra e Cristo no coração, não somente Cristo revelado a nós, mas Cristo revelado em nós. É a Palavra de Deus, toda a abrangência da revelação divina; é Deus, a Palavra, em quem toda a revelação divina se centra; é a alma formada pela Palavra; é Cristo, formado na alma; é a religião na sua pureza e no seu poder. Coisas gloriosas são ditas aqui, sobre esta excelente pessoa, esta coisa excelente.

 

I – A sabedoria divina dá aos homens um bom entendimento (v. 12): “Eu, a Sabedoria, habito com a prudência”, não com a sabedoria carnal (a sabedoria que vem do alto é contrária a ela, 2 Coríntios 1.12), mas com o verdadeiro discernimento, que serve para a ordenação correta do modo de vida, aquela sabedoria do prudente que é para entender o seu caminho, e é, em todos os casos, benéfica para orientar, a sabedoria da serpente, não somente para proteger do mal, mas para orientar no fazer o bem. A sabedoria habita com a prudência; pois a prudência é o produto da religião, e um adorno para a religião; e há mais invenções brilhantes descobertas com a ajuda das Escrituras, tanto para o entendimento correto das providências de Deus como para o combate eficaz aos estratagemas de Satanás, e para fazer o bem na nossa geração, do que jamais foram descobertas pelo aprendizado dos filósofos ou da política de estadistas. Nós podemos aplicar isto ao próprio Cristo; Ele habita com a prudência, pois toda a sua missão é a sabedoria de Deus envolta em um mistério, e nela Deus é abundante para conosco, em toda sabedoria e prudência. Cristo mostrou o valor desta obra tão rica, que lhe custou tanto, sim, a salvação do homem através da expiação que Ele ofereceu; esta é, de fato, uma obra admirável. Nós descobrimos muitas invenções, para nossa ruina; Ele revelou apenas uma, para nossa recuperação. O concerto da graça é tão bem ordenado, em todas as coisas, que devemos concluir que aquele que o ordenou habitou com a prudência.

 

II – Ela dá aos homens bons corações (v.13). A verdadeira religião, que consiste no temor ao Senhor, que é a sabedoria anteriormente recomendada, ensina os homens:

1. A odiar todo o pecado, como desagradável a Deus e destrutivo à alma: “O temor do Senhor é aborrecer o mal”, o caminho do mal, odiar o pecado como pecado, e por isto, odiar cada falso caminho. Onde houver temor a Deus haverá horror ao pecado, como um mal, como puro mal.

2. Odiar, particularmente, a soberba, e a paixão, outros dois pecados comuns e perigosos. O convencimento de nós mesmos, a soberba e a arrogância, são pecados que Cristo detesta, e também os detestam todos os que têm o Espírito de Cristo; todo indivíduo odeia estes pecados nos outros, mas nós devemos odiá­ los em nós mesmos. A boca perversa, a impertinência com os outros, Deus detesta, porque é inimiga à paz da humanidade, e por isto, nós devemos odiá-la. No entanto, deve ser dito, para a honra da religião, que ainda que ela seja acusada injustamente, ela está tão longe de tornar os homens convencidos e amargos, que não há nada mais diretamente contrário a ela do que a soberba e a paixão, nem algo que ela nos ensine a detestar mais.

 

III – Ela tem uma grande influência sobre questões públicas e o bem-estar de todas as sociedades (v. 14). Cristo, como Deus, tem força e sabedoria; a sabedoria e o poder são seus; como Redentor, Ele é a sabedoria de Deus e o poder de Deus. Para todos os que são seus Ele é feito, por Deus, tanto força como sabedoria; nele, essas coisas são acumuladas para nós, para que possamos conhecer e fazer o nosso dever. Ele é o maravilhoso conselheiro e dá aquela graça, que é, e somente ela, sabedoria genuína. Ele é o próprio entendimento, e tem uma fortaleza para todos os que se fortalecem nele. A verdadeira religião dá aos homens os melhores conselhos, em todas as situações difíceis, e ajuda a aplanar o seu caminho. Sob quaisquer aspectos, é entendimento, é fortaleza; será para nós tudo o que necessitarmos, tanto para nos ajudar em nossos serviços, como para aplacar os sofrimentos. Onde a Palavra de Deus habita ricamente, ela forma um homem perfeito e o capacita plenamente, para toda boa obra e palavra. Reis, príncipes e juízes, são os que, entre todos os homens, têm maior necessidade de sabedoria e força, de conselho e coragem, para o desempenho fiel da confiança depositada neles, como também para que possam ser bênçãos para as pessoas sobre as quais foram estabelecidos. E por isto a Sabedoria diz: “Por mim, reinam os reis” (vv. 15,16), isto é:

1. O governo civil é uma instituição divina, e aqueles a quem é confiada a sua administração receberam de Cristo a sua comissão; é um ramo do seu oficio real que, por Ele, reinam reis; dele, a quem todo juízo é confiado, é derivado o poder dos governantes terrenos. Eles reinam por Ele, e por isto devem reinar para Ele.

2. Quaisquer que sejam as qualificações para o governo que quaisquer reis ou príncipes têm, por elas eles terão uma dívida para com a graça de Cristo; Ele lhes dá o espírito do governo, e eles não têm nada, nenhuma habilidade, nenhum princípio de justiça, exceto aquilo com que Ele os capacita. Uma sentença divina está nos lábios do rei; e os reis são, para seus súditos, o que Ele faz deles.

3. A religião é a força e o esteio do governo civil; ela ensina aos súditos o seu dever, e por ela os reis os governam com mais facilidade; ela ensina aos reis o seu dever, e por ela, os reis reinam como deveriam; eles decretam justiça, enquanto governam no temor a Deus. Governam bem aqueles que são governados pela religião.

 

IV – Ela torna muito felizes, verdadeiramente felizes, a todos os que a recebem e aceitam.

1. Eles serão felizes no amor por Cristo; pois é Ele que diz: “Eu amo os que me amam” (v. 17). Os que amam ao Senhor Jesus Cristo com sinceridade serão amados por Ele com um amor distinto e peculiar: Ele os amará e se manifestará a eles.

2. Eles ficarão felizes com o sucesso de suas buscas por Ele: “Os que de madrugada me buscam”, os que buscam uma maior intimidade comigo e estão interessados em mim, que me buscam de madrugada, isto é, que me buscam fervorosamente, que me buscam antes de qual­ quer outra coisa, que começam cedo, nos dias da sua mocidade, a me buscar, “me acharão”. Cristo será deles, e eles serão seus. Ele nunca disse: “Buscai-me em vão”.

3. Eles serão felizes na riqueza do mundo, ou naquilo que é infinitamente melhor.

(1) Eles terão tantas riquezas e honras quanto a Sabedoria Infinita julgar que seja bom para eles (v. 18); elas estão com Cristo, isto é, Ele as tem para dar, e se Ele julgar adequado dá-las a nós, toda a honra deverá ser dele. A religião às vezes ajuda a tornar a;; pessoas ricas e grandes neste mundo, e lhes conquista fama, e assim aumenta os seus bens; e as riquezas que a Sabedoria dá aos seus favoritos têm duas vantagens:

[1] São riquezas e justiça, riquezas obtidas honestamente, não por meio de fraude e opressão, mas de maneira legal, e são usadas com caridade. pois as esmolas são chamadas de justiça. Aqueles cujas riquezas vêm da bênção de Deus, e do seu esforço pessoal, e que têm um coração inclinado a fazer o bem com elas. têm, de fato, riquezas e justiça.

[2] Portanto, são riquezas duráveis. A riqueza obtida pela vaidade logo será diminuída, mas aquilo que é obtido corretamente será bem usado e será deixado aos filhos dos filhos; aquilo que é bem usado em obras de piedade e caridade contribui para o melhor interesse, e, assim, será durável; pois os amigos feitos com as riquezas da injustiça (ou riquezas terrenas), quando estas falharem, nos receberão nos tabernáculos eternos (Lucas 16.9). Isto será descoberto depois de muitos dias, na eternidade.

(2) Eles terão o que é infinitamente melho1; se não tiverem riquezas e honras neste mundo (v.19): “Melhor é o meu fruto do que o ouro”, sim, algo que terá melhor proveito, que será de maior valor; e melhores são as minhas novidades do que a prata escolhida; elas terão um emprego melhor: Nós podemos nos assegurar de que não somente os produtos da Sabedoria, no final, mas a sua receita, neste ínterim, serão muito melhores do que as melhores possessões ou conquistas de propriedades deste mundo.

4. Eles serão felizes na graça de Deus, agora; ela será o seu guia no bom caminho (v. 20). Este é aquele fruto da sabedoria que é melhor do que o ouro, do que ouro refinado; ele nos conduz no caminho da justiça, e nos mostra esse caminho, e vai à nossa frente, o caminho em que Deus deseja que andemos e que certamente nos levará ao nosso fim desejado. Deus nos conduz no meio das veredas do juízo, e nos salva dos desvios, de qualquer lado. Pelo seu Espírito, Cristo guia os crentes em toda a verdade, e assim os conduz pelo caminho da justiça. e eles devem sempre andar no Espírito.

5. Eles serão felizes na glória de Deus, no futuro (v. 21). A Sabedoria conduz nos caminhos da justiça, não somente para que possa ajudar os seus amigos no caminho do dever e da obediência, mas para que possa fazê-los herdar bens permanentes e encher os seus tesouros, o que não pode ser feito com as coisas deste mundo, nem com nada menos do que Deus e o céu. A felicidade dos que amam a Deus e se dedicam ao seu serviço é substancial e satisfatória.

(1) É substancial: é a própria substância. É uma felicidade que subsistirá por si só, e se manterá, sem o apoio acidental de conveniências externas. As coisas eternas e espirituais são as únicas coisas reais e substanciais. A alegria em Deus é uma alegria substancial, genuína e bem fundamentada. As promessas são seus títulos, Cristo é sua garantia, e ambos são substanciais. Eles herdam substância; isto é, a sua herança futura é substancial; é um peso de glória, é substância (Hebreus 10.34). Toda a felicidade que tem, como herdeiros, é baseada na sua filiação.

(2) É satisfatória: não somente encherá as suas mãos, mas os seus tesouros, não somente os sustentará, mas os tornará ricos. As coisas deste mundo podem encher os ventres dos homens (Salmos 17.14), mas não os seus tesouros, pois não podem assegurar para eles bens por muitos anos; talvez eles possam ser privados dos bens esta noite. Mas mesmo que os tesouros da alma sejam tão amplos, há o suficiente em Deus, e em Cristo, e no céu, para enchê-los. Nas promessas da Sabedoria, os crentes têm bens acumulados, não apenas para dias e anos, mas para a eternidade; o seu fruto, portanto, é melhor do que o ouro.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

M.A

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

Luna en mengua

Poesía, arte, literatura y música.

de tudo um pouco ❗❕❗😉👌

de tudo um pouco 😉👌

Painel do Grupo

Aqui um pouquinho de nossas realizações

Buds of Wisdom

Fall in Love with Grammar !

pretapoesia

Escreviver é isso: viver, escrever, viver novamente. Writing is just like this: live, write, live again.

danielecolleoni

Appunti, spunti e passioni in liberta'

Ode to Beauty

Discovering the World of Fine Art Nude Photography

白川君の独り言β

no sweat no victory

URBN Social

The Social Experience

RENOVADAS

Autoestima para mais de 50

Olivia2010kroth's Blog

Viva la Revolución Bolivariana

%d blogueiros gostam disto: