PSICOLOGIA ANALÍTICA

ROER UNHAS PODE TER RELAÇÃO COM PERFECCIONISMORoer unhas pode ter relação com perfeccionismo

O senso comum atribui o hábito de roer unhas à ansiedade, mas novos estudos sugerem outra causa para esse comportamento: o perfeccionismo. Em um deles, publicado no journal of Behavior Therapy and & Experimental Psychiatry, pesquisadores analisaram a habilidade de controlar as emoções e comportamentos relacionados com a organização de 48 voluntários, metade deles com algum comportamento repetitivo focado no corpo, como roer unhas, arrancar os cabelos ou cutucar a pele. Estes marcaram, em comparação ao grupo de controle {sem nenhum desses hábitos), maior pontuação na escala que media perfeccionismo. Além disso, demonstraram inclinação a se sobrecarregar e a se sentir rapidamente frustrados com poucas atividades.

Os hábitos repetitivos, sugerem os autores, seriam uma forma de tentar aliviar o tédio, a irritação e a insatisfação. Os mesmos voluntários foram expostos a situações elaboradas para provocar quatro diferentes emoções: estresse (os cientistas mostraram um filme de um acidente de avião); tranquilidade (documentário sobre ondas); frustração (os pesquisadores apresentaram um quebra-cabeça bem difícil, dizendo que seria fácil montá-lo ); e tédio (deixando os participantes sozinhos em uma sala). O primeiro grupo demonstrou comportamentos focados no corpo em todas as situações, exceto durante o filme relaxante.

Pesquisas anteriores sugerem que o hábito de morder e coçar, de fato, pode favorecer a sensação de bem-estar, mas somente temporariamente – o que talvez satisfaça a vontade do perfeccionista de fazer algo. Depois do alívio inicial, porém, essas pessoas costumam sentir dor, vergonha e constrangimento.

Alguns estudos demonstram que esse tipo de crença e comportamento pode ser amenizado com a terapia cognitivo-comportamental. Aprender a agir e pensar de forma diferente quando a tensão aumenta pode permitir interromper o impulso de roer unhas ou puxar os cabelos, por exemplo.

Roer unhas pode ter relação com perfeccionismo. 2

Anúncios

OUTROS OLHARES

EVOLUÇÃO DA SEXUALIDADE FEMININA

Atuação dos movimentos feministas através dos anos marca terreno e se posiciona como um divisor de águas na luta pela igualdade de condições das mulheres

Evolução da sexualidade feminina

Há décadas, os movimentos feministas vêm lutando pela igualdade de condições das mulheres, no que diz respeito aos papéis sociais, profissionais e sexuais. A partir da década de 60, observa-se a expansão da saída das mulheres do espaço doméstico, para a ocupação de espaços sociais e profissionais, antes restritos às pessoas do sexo masculino.

Na esfera da sexualidade começaram a surgir movimentos tímidos, a princípio, porém que conduziram ao início da liberação sexual feminina. Surgiram, nessa época, publicações de autoras norte-americanas, ensinando e estimulando as mulheres donas de casa a exercitarem tanto a masturbação, como práticas sexuais “não convencionais” para a época, tais como a prática do sexo oral e do sexo anal, com seus maridos.

A este respeito, citarei um trecho de uma conversa com um colega de profissão, lá pelos idos de 1970. Ele confidenciava-me que procurava prostitutas quando sentia a necessidade de praticar sexo oral ou anal. Um tanto perplexo com essa revelação, perguntei: “Mas por que não ter essas práticas com sua esposa, uma vez que vocês têm uma boa relação conjugal”?

Evolução da sexualidade feminina. 2

A SEXUALIDADE FEMININA NA ANÁLISE DE LACAN

Ao que ele, com visível irritação, me respondeu: “Jamais faria essas coisas com a minha esposa, pois ela é uma mulher de respeito e, além de tudo, é a mãe dos meus filhos”.

Embora possa soar estranho o conteúdo dessa conversa, nos dias atuais, era esse o pensamento vigente na época, há cerca de 40 anos. A maioria pensava que a esposa tinha o papel de um ser assexuado, quase santificado, isento do prazer sexual, cuja experiência somente era permitida fora do lar, no ambiente da prostituição.

A luta pela liberação da mulher veio ganhando força e trazendo mudanças nos hábitos e costumes, derrubando tabus, como a virgindade, e o sexo permitido somente após o casamento. A decorrência dessa atitude da mulher foi fazer com que ela consiga se apoderar de seu corpo e da sexualidade, não mais se deixando manipular por convenções sociais ou pela moral judaico-cristã.

A SEXUALIDADE DURANTE A GRAVIDEZ

Essa evolução veio preparando o terreno para fatos muito importantes, que marcam a conquista da nova sexualidade feminina no século 21. Destaco como muito importante: a promulgação da Lei Maria da Penha, em 7 de agosto de 2006, que estabelece que todo o caso de violência doméstica e intrafamiliar é crime e, por isso, deve ser apurado por meio de um inquérito policial e ser remetido ao Ministério Público.

A lei tipifica e define a violência doméstica e familiar contra a mulher. Estabelece as formas da violência doméstica contra a mulher como física, psicológica, sexual, patrimonial e moral. Determina que a violência doméstica contra a mulher independe de sua orientação sexual.

Outro fato importante para a liberação da mulher foi a criação do FEMEN, um grupo ucraniano feminista de protesto, fundado em 2008. A organização se tornou notória por protestar contra temas como turismo sexual, racismo, homofobia, sexismo e outros males sociais. Este grupo tem feito manifestações importantes em vários países do mundo; conta com uma filial brasileira na luta pela preservação dos direitos femininos.

Considero, também, de extrema importância a maneira mais natural, como tem sido tratado o tema sexualidade nos meios sociais e na mídia e, nesse sentido, observa-se que a sexualidade feminina vem sendo tratada com o mesmo respeito e importância que a masculina, o que demonstra que a mulher vem conseguindo a tão desejada igualdade no tratamento de questões fundamentais à existência humana, questões estas ligadas à identidade de gênero, ao fato de se sentir dona de seu próprio corpo, podendo, assim, administrar as formas de prazer que lhe são importantes e satisfatórias, independentemente de opiniões morais, religiosas ou que estejam a serviço de alguma forma de controle.

GESTÃO E CARREIRA

PERSONALIDADES MAGNÉTICAS NO TRABALHO

Um modelo de personalidade magnética pode ser construído de forma inconsciente apenas com a observação das pessoas que se considera influentes no ambiente de trabalho.

personalidades magnéticas no trabalho

Provavelmente todos conhecem alguém que quando adentra o ambiente atrai a atenção de todos mesmo sem pronunciar uma só palavra. Independentemente do cargo que ocupe na empresa, essa pessoa possui o que muitos chamam de magnetismo pessoal. Parece uma força de atração, silenciosa, que transforma certas pessoas em referências de poder e sabedoria.  O que há nelas que cria essa atmosfera positiva de atração? Pode ser replicado para se alcançar os mesmos resultados?

PUBLICIDADE

No universo comportamental tudo é possível com técnica, esforço e prática. Mas para que possamos direcionar nossas energias para a criação de um avatar que modele um personagem de grande magnetismo pessoal é necessário que saibamos quais são os pontos principais exibidos por uma pessoa nesse perfil de excelência:

1- VOZ E FALA

Tanto homens quanto mulheres, no perfil de grande poder pessoal, possuem uma fluência mais lenta que o seu grupo de contato. Também mantêm um tom de voz mais grave sem cruzar a linha do estereótipo. Jamais falam rápido, mas sabem usar as pausas para criar um toque emocional em suas frases.

2- MOVIENTOS GERAIS

Uma pessoa de grande poder não tem pressa. Anda devagar, não balança os braços além da área do corpo ao caminhar e mantém o queixo em 90º em relação ao pescoço (nem mais nem menos).

3- MOVIMENTOS DAS MÃOS

Jamais uma pessoa de grande poder pessoal irá falar movimentando as mãos acima da linha do osso esterno (peito). Essa gesticulação expressa uma grande insegurança do falante e, como nosso avatar é muito seguro de si, ele jamais se movimenta dessa forma.

4- OLHAR CENTRADO

Pode-se notar que o olhar das pessoas magnéticas é sempre expressivo. No entanto, ao questionar os que convivem diretamente com elas, o que realmente têm de diferente poucos irão responder corretamente: elas piscam menos e mais devagar.

Esses são os quatro pontos mais comuns naqueles que exercem uma forte atratividade, os que emanam poder no ambiente. Muitos são assim naturalmente e outros tantos treinaram o próprio perfil comportamental para incorporarem essa calma natural que existe nos poderosos. Para os que desejam expandir, de forma natural, esse dom apresentamos aqui quatro práticas de exercícios que podem ajudar a delinear esse perfil:

1- VOZ DE AUTORIDADE: Basta colocar alguns objetos sobre a mesa e comandar, a si mesmo, a movimentação deles. Com uma voz calma e tranquila, porém altiva, diga o seu nome e para pegar um ou outro objeto, e depois, ainda com o comando de voz, ordene que o objeto seja de novo colocado no mesmo lugar. A mente irá “ver” que tudo que é dito com aquela voz ocorre no mundo real. Criando assim uma notável segurança na fluência verbal.

2- MOVIMENTO DE CORPO: Tomar consciência do próprio corpo requer atenção. Para isso é necessário que uma prática de meditação seja incorporada no dia a dia das pessoas que desejam manter uma marcha bem estruturada. Yoga pode ajudar muito no desenvolvimento dessa consciência corporal.

3- MÃOS E PÉS SEGUROS: Para evitar muita movimentação ao falar, uma boa prática é pressionar os dedões dos pés dentro dos sapatos. Não há como a outra pessoa perceber mesmo se os pés estiverem à mostra (sapatos femininos). Nas mãos a dica é unir os três dedos: polegar, indicador e anelar. De forma suave e sutil essa postura com as mãos parece natural e as inibe de desenhar no ar o que falamos.

4- OLHAR MAGNÉTICO: Essa é uma técnica milenar tibetana, o melong, uso de espelhos para desenvolver um olhar penetrante e magnético. Qualquer espelho serve para esse treino. Basta olhar a própria imagem e tentar permanecer o maior tempo possível sem piscar. Sem esforço, sem perder uma expressão de calma natural, ficar dois minutos sem piscar pode causar um impacto bem forte mesmo que a pessoa com quem fala jamais perceba o que ocorre de diferente. Atenção para as limitações físicas de cada pessoa. Usuários de lentes de contato, por exemplo, terão enorme dificuldade nesse exercício e, de fato, para eles isso não é aconselhável.

A prática desses exercícios não irá transformar você em um líder natural em 15 dias. Mas com a constante observação de pessoas que você mesmo considera influentes no ambiente, mais detalhes virão à tona de forma consciente. Assim, dentro de algum tempo será possível criar o seu próprio modelo de personalidade magnética. Um perfil de poder pessoal somente seu.

ALIMENTO DIÁRIO

PROVÉRBIOS 7: 24-27

Pensando biblicamente

A Sedução de um jovem

 

Aqui temos a aplicação da estória anterior: “Dai-me ouvidos”, e não a tais sedutores (v. 24): dai ouvidos a um pai, e não a um inimigo.

1. Recebe o conselho que te é dado. “Não se desvie para os seus caminhos o teu coração” (v. 25); nunca deixes os caminhos da virtude, ainda que sejam estreitos e retos, solitários e íngremes, para tomar o caminho da adúltera, ainda que verde, e amplo, e coroado com uma companhia aparentemente agradável. Não somente deves afastar os teus pés destes caminhos, mas não deves também permitir que o teu coração se incline para eles; nunca alimentes uma disposição por este caminho, nem penses de outra maneira sobre estas práticas, senão com abominação. Que a razão, e a consciência, e o temor a Deus que governam o coração, controlem as tendências do apetite sensual. Se seguires por esses caminhos, por qualquer dos caminhos que conduzem a este pecado, estarás te desviando do caminho reto, do caminho seguro; por isto, toma cuidado, não te desvies, para que não tenhas que perambular eternamente.

2. Recebe o aviso, quando te é dado.

(1) Olha para trás, e vê que corrupção este pecado provocou. A adúltera foi a destruição, não somente de uma pessoa aqui e outra ali, mas “a muitos feridos derribou”. Milhares foram destruídos, agora e para sempre, por este pecado; e não foram somente os jovens fracos e simples, como este de que Salomão acabava de falar, mas muitos homens fortes foram mortos por ela (v. 26). Aqui, talvez, ele se refira especialmente a Sansão, que foi morto por este pecado, e talvez também a Davi, que, por este pecado, vinculou uma espada à sua casa, embora o Senhor a levasse para tão longe que ele mesmo não morreu. Estes eram homens, não somente de grande força física, mas de eminente sabedoria e coragem, porém seus desejos carnais prevaleceram sobre eles. Gemei, faias, porque os cedros caíram. “Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe que não caia”.

(2) Olha à frente com os olhos da fé, e vê o que está no fim (v. 27). A sua casa, ainda que ricamente adornada e mobiliada, e chamada de uma casa de prazer, é o caminho para o inferno; e os seus quartos são a escadaria que desce até as câmaras da morte, e à escravidão eterna. O cálice da prostituição deve ser rapidamente substituído pelo cálice do tremor; e as chamas da luxúria, se não forem apagadas pelo arrependimento e pela mortificação, arderão até o inferno mais inferior. Por isto, “Perturbai­ vos e não pequeis”.