ALIMENTO DIÁRIO

PROVÉRBIOS 3: 21-26

Pensando biblicamente

A Excelência da Sabedoria

Tendo declarado que são bem-aventurados aqueles que não somente se apoderam da sabedoria, mas a retêm, aqui Salomão nos exorta, portanto, a retê-la, assegurando-nos de que nós mesmos teremos a consolação por fazermos isto.

 

I – A exortação é ter as regras da religião sempre em vista e sempre no coração (v. 21).

1. Tê-las sempre em vista: “Filho meu, não se apartem estas coisas dos teus olhos”; não permitas que os teus olhos se desviem delas, para buscar vaidades. Deves tê-las sempre em mente, e não esquecê-las; deves estar sempre pensando nelas, e andando nelas, e não deves nunca imaginar que já as consideraste por tempo suficiente e que agora já podes deixá-las de lado; mas, enquanto viveres, guarda cultiva o teu conhecimento delas. Aquele que se inclina a escrever deve ter os seus olhos sempre sobre a sua cópia, e não deve nunca perdê-la de vista; e, da mesma forma, aqueles que andam com prudência devem ter um constante respeito pelas palavras da sabedoria.

2. Tê-las sempre no coração; pois é nesse cofre, no homem oculto do coração, que devemos conservar a sabedoria verdadeira e o discernimento, guardar os seus princípios e os seus caminhos. É uma riqueza que vale a pena guardar.

 

II – O argumento de reforço a esta exortação é obtido da indescritível vantagem que a sabedoria, assim guardada, será para nós.

1. Com respeito a força e satisfação: “Será vida para a tua alma” (v. 22); a sabedoria te despertará para o teu dever, quando começares a ser preguiçoso e negligente; ela te reviverá em meio aos teus problemas, quando começares a afundar e desanimar. Será a tua vida espiritual, um prenúncio da vida eterna. A vida para a alma é verdadeiramente vida.

2. Com respeito à honra e reputação: “Será graça, para o teu pescoço”, como uma corrente de ouro, ou uma joia. Graça para tuas mandíbulas (este é o significado da palavra), agradável para o teu paladar (segundo alguns): ela infundirá graça a tudo o que disseres (segundo outros), e te dotará de palavras aceitáveis, que te conquistarão crédito.

3. Com respeito à segurança. Ele insiste neste aspecto, em quatro versículos, cujo escopo é mostrar que o efeito da justiça (que aqui é a mesma coisa que sabedoria) é o repouso e a segurança, para sempre (Isaias 32.17). As pessoas boas são tomadas sob a proteção especial de Deus, e nela podemos ter completa satisfação. Eles estão a salvo e podem se sentir tranquilos,

(1) em seus movimentos durante o dia (v. 23). Se a nossa religião for nossa companheira, será nossa escolta: “Então, andarás com confiança no teu caminho”. A vida natural, e tudo o que pertence a ela, estarão sob a proteção da providência de Deus; a vida espiritual, e todos os seus interesses, estão sob a proteção da sua graça; de modo que serás protegi­ do e não cairás no pecado ou nas dificuldades. A sabedoria nos orientará, e nos guardará no caminho seguro, tão longe quanto possível da tentação e nos permitirá andar nele com santa segurança. O caminho do dever é o caminho da segurança. Nós corremos o risco de cair, mas a sabedoria nos sustentará, para que o nosso pé não tropece naquelas coisas que são uma ofensa e uma destruição para muitos, mas pelas quais saberemos como passar.

(2) No seu repouso, à noite (v. 24). No nosso isolamento, nós estamos expostos e sujeitos a temores. Conserva a tua comunhão com Deus, e conserva uma boa consciência, e então, quando te deitares, não temerás, nem o fogo, nem ladrões, nem fantasmas, nem nenhum dos terrores das trevas, sabendo que quando nós, e todos os nossos ami­ gos, estamos dormindo, aquele que guarda Israel e cada israelita por nascimento, não adormece; e a Ele tu te entregaste, abrigando-te sob a sombra das suas asas. Tu te deitarás, e não precisarás manter guarda; tu te deitarás, e dormirás, e não terás teus olhos despertos pela preocupação e pelo temor; e o teu sono será suave e revigorante para ti, não sendo perturbado pelos alarmes, internos ou externos (Salmos 4.8; 116.7). O caminho para ter uma boa noite é manter uma boa consciência: e o sono, tanto o do homem que se esforça, como o do homem sábio e devoto, é doce, é suave.

(3) Nas suas maiores dificuldades e perigos. A integridade e a retidão nos preservarão, de modo que não temeremos o pavor repentino (v. 25). Os males que nos surpreendem, inesperadamente, não nos dando tempo para nos armar; muito provavelmente nos causam perplexidades. Mas que o homem sábio e bom não se esqueça de cuidar de si mesmo, e assim ele não dará ocasião a qualquer temor que possa vir a atormentá-lo, ainda que o alarme seja muito repentino. Que ele não tema a assolação dos ímpios quando vier, isto é,

[1] a assolação que os ímpios causam à religião e aos religiosos; ainda que venha, e pareça estar bem à porta, não a temas; pois, embora Deus possa fazer uso dos ímpios como instrumentos para a correção do seu povo, não permitirá nunca que sejam os autores da sua assolação. Ou,

[2] a assolação a que os ímpios serão levados em um momento. Ela virá, e os santos temerosos podem estar apreensivos de que estarão envolvidos nela; mas que esta seja a sua consolação: o fato de que embora os juízos, em geral, sejam devastadores, pelos menos ocasionalmente, ainda assim Deus conhece os que são seus e sabe como separar o precioso do vil. Portanto, não tenhas medo do que parece ser extremamente formidável, pois (v. 26), o Senhor não somente será a tua segurança, para te manter a salvo, mas a tua confiança para te manter seguro, de modo que o teu pé não será preso por teus inimigos, nem por teus próprios temores . Deus se comprometeu a guardar os pés dos seus santos.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.