ALIMENTO DIÁRIO

JOÃO 21: 1-14 – PARTE I

alimento diário

Cristo com seus Discípulos

 

Aqui temos um relato da manifestação de Cristo aos seus discípulos, junto ao mar de Tiberíades. Agora:

1. Comparemos esta aparição com as que ocorreram antes, nas quais Cristo se apresentou aos seus discípulos quando estavam reunidos em uma assembleia solene (aparentemente, para adoração religiosa), em um dia do Senhor, e quando estavam todos juntos, talvez esperando sua aparição. Mas nesta ocasião Ele se apresentou a eles de maneira casual, em um dia de trabalho, quando eles estavam pescando, e não pensavam na sua aparição. Cristo tem muitas maneiras de dar-se a conhecer ao seu povo, normalmente nas suas ordenanças, mas, às vezes, pelo seu Espírito, Ele os visita, quando estão ocupados em suas tarefas comuns, como os pastores que guardavam seu rebanho à noite (Lucas 2.8), e também como em Gênesis 16.13.

2. Comparemos esta aparição com aquela no monte da Galileia, onde Cristo lhes tinha indicado que o encontrassem, Mateus 28.16. Para lá, eles foram depois de terminados os dias dos pães asmos, e se dedicaram, conforme julgaram adequado, até a ocasião determinada para este encontro geral. Esta aparição ocorreu enquanto estavam esperando por aquela, para que não se cansassem de esperar. A presença de Cristo é melhor até mesmo do que sua palavra, e nunca deixa a desejar. Ele frequentemente antecipa e supera as expectativas de fé do seu povo, mas nunca os desaponta. Quanto aos detalhes da história, podemos observar:

 

I – Quem eram aqueles a quem Cristo agora se manifestou (v. 2): não a todos os doze, mas somente a sete deles. Natanael é mencionado corno sendo um deles, a quem não encontrávamos desde o capítulo 1. Mas alguns pensam que ele era o mesmo que Bartolomeu, um dos doze. Supõe-se que os dois discípulos cujos nomes não são citados fossem Filipe de Betsaida e André de Cafarnaum. Observe aqui:

1. É bom que os discípulos de Cristo estejam sempre juntos, não somente em assembleias religiosas solenes, mas na convivência comum, e em atividades comuns. Os bons cristãos devem, com isto, tanto testificar como intensificar seu afeto uns pelos outros, e ter prazer uns nos outros, e edificar uns aos outros, tanto pelas palavras corno pelo exemplo.

2. Cristo decidiu se manifestar a eles quando estavam juntos, não somente para estimular a comunhão cristã, mas para que pudessem ser testemunhas comuns dos mesmos fatos, corroborando para o testemunho uns dos outros. Aqui estavam sete deles juntos, para confirmar o fato, pois alguns observam que a lei romana exigia sete testemunhas para um testamento.

3. Tomé era um deles, e é mencionado logo depois de Pedro, corno se agora estivesse mais atento do que nunca às reuniões dos apóstolos. Ê bom que as perdas ocorridas devido à nossa negligência nos tornem mais atentos, para não mais deixarmos passar as oportunidades.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.