OUTROS OLHARES

A AMEAÇA OBSCURANTISTA À EDUCAÇÃO

Racismo, vandalismo em biblioteca, censura e ofensas anônimas. O que explica a onda reacionária que ataca a liberdade de pensamento em universidades e escolas do País?

a ameaça obscurantista à educação

Escolas e universidades, locais onde a liberdade de pensamento e a argumentação científica deveriam imperar, viraram o palco de uma selvagem disputa ideológica que parece estar só começando. Suásticas pichadas, ameaças criminosas contra minorias e a defesa de posições reacionárias estão proliferando no ambiente educacional brasileiro nas últimas semanas, indicando uma grave fratura social. Um dos mais recentes ocorreu na quarta 17/10, quando foram encontradas mensagens homofóbicas nos banheiros da reitoria da faculdade de Direito da Universidade Federal de Juiz de Fora (UF/JF). Ao lado da cruz nazista, os rabiscos: “Morte aos gays”, “Morte aos viados”, “Morte a todos os LGBTs”. Em São Paulo, no mesmo dia, portas de apartamentos estudantis da USP amanheceram riscadas com o símbolo nazista. Na manhã anterior, duas suásticas foram desenhadas em uma lousa de uma sala do curso de Arquitetura da PUC-Rio.

Para a professora Simone Lisniowsi, da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB), onde também foram registrados ataques a escalada recente do obscurantismo e da intolerância reside na velha falta de estimulo ao pensamento crítico na educação. “Quem vê o mundo como um lugar de certezas não admite diferenças”, afirma. As demonstrações de ódio racial, misoginia e homofobia se repetem diariamente entre estabelecimentos de ensino de todas as regiões do País, sem que os autores das agressões sejam identificados. Na quarta 10, alunos negros do curso de Direito da Federal de Santa Maria (RS) sofreram insultos: “vai lavar esse cabelo, macaco fedido”. Na segunda, 8, no campus Butantã da São Judas Tadeu (SP), as mensagens de ódio foram: “Burn jews” (Queime judeus) e “vão se f…  seus negros e feministas de merda, gays do demo”. Na Unicamp. em Campinas (SP), desde agosto foram encontradas as frases “Sapata tem que morrer” e “Vai ter massacre Colombine”, em referência ao tiroteio que matou 15 pessoas em uma escola nos Estados Unidos, em 1999. Em todos os casos foram abertas investigações. A legislação brasileira considera crimes graves tanto o uso de símbolos nazistas quanto a propagação de discursos racistas e homofóbicos.

 LIVROSRASGADOS

Além da perseguição a quem consideram inimigos, os criminosos anônimos também atacam conceitos humanistas fundamentais às democracias. Na UnB, no início do mês, a descoberta de livros rasgados na biblioteca indignou alunos e professores. As obras tratam de direitos humanos, história da arte, cultura pagã, Teoria da Evolução e Renascimento. Os livros foram sistematicamente danificados. Como as páginas foram rasgadas ao meio, o objetivo parecia ser mais demonstrar desaprovação com os temas do que prejudicar futuras leituras. Para Simone Lisniowski, uma série de fatores subjetivos interligariam essas ações esparsas. “Há disputas de interesses e muita gente não sabe lidar com a liberdade alheia”. diz.

Nos ensinos fundamental e médio as manifestações são de caráter ideológico. O caso mais gritante foi repentina exclusão do livro “Meninos Sem Pátria”, adotado pelo tradicional colégio católico Santo Agostinho no Leblon, Rio de Janeiro. Leitura para alunos do 6º ano, obra retrata a história de uma família que abandona o Brasil durante a ditadura militar Escrito por Luiz Puntel, em 1988, o livro está na 23ª edição, com quase 1 milhão de exemplar vendidos, e jamais enfrentou resistências até ser apontado no início do mês como parte da “doutrinação comunista” da escola. A denúncia ganhou corpo ao parar em grupos do WhatsApp e na página do Facebook “Alerta Ipanema”, com 17 mil seguidores. Professor de redação em um cursinho em Ribeirão Preto (SP), Puntel contesta as críticas. “Meu livro fala de exílio. Não há doutrinação. Se eu   falar de transexualidade vão me chamar de quê?”, questiona.

Com os ânimos exaltados pela proximidade da eleição e a sociedade polarizada, até uma menção à Lei Rouanet causou controvérsia em sala de aula. Na escola particular Mirassol, em Natal (RN), o pai de um aluno se revoltou contra o professor de História Euclides Tavares, a quem acusou de fazer apologia de esquerda durante um seminário de alunos do ensino médio sobre cinema. Uma pergunta sobre as empresas citadas nos créditos de um filme nacional fez com que o professor explicasse os mecanismos de incentivo à cultura previstos na Lei Rouanet. Um aluno passou uma mensagem por WhatsApp para o pai, que começou a confusão por meio de um telefonema à escola. Apoiado pela direção, Tavares prestou queixa. “Se explico até o que foi a Lei Aurea que é complicada, não vou falar da Lei Rouanet? Não dá para dar uma aula sobre liberalismo, por exemplo, sem falar de ideologia. Isso é loucura”, afirma. É mesmo. Reprimir com violência a liberdade de pensamento é típico de regimes autoritários. Não da democracia.

Anúncios

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.