OUTROS OLHARES

A ESCOLHA DA ESCOLA

Essa é uma das maiores preocupações das famílias, por constituir um fator decisivo de preparação das crianças para as suas futuras oportunidades profissionais e sociais.

A escolha da escola

Uma boa formação pedagógica de base é indispensável para iniciar e fundamentar todo o importante e longo percurso da aprendizagem, formal, do infantil ao final do ensino médio e até depois desse. A atenção à criança na creche, no berçário, na pré-escola se fortaleceu nas últimas décadas devido comprovação científica de que é nessa idade que o cérebro mais aprende e se desenvolve, e ainda que nesse início, se bem cuidado, predispõe a melhores condições posteriores de aquisição de conhecimentos.

Infelizmente e diferentemente de outrora, o ensino público não é mais um modelo e, portanto, quando podem financiar escolas particulares, a maioria do pais preferem apostar nesse tipo de opção, em que as propostas são muitas vezes difíceis de serem compreendidas por leigos, e a  escolha se reveste de múltiplos fatores e dúvidas.

Por esse motivo, hoje, mais do que nunca, vemos os pais tão preocupados com a seleção da escola de seus filhos. Inegavelmente há um custo enorme – e que não é apenas financeiro – envolvendo    essa questão: pesam as aspirações paternas, a pressão social, a responsabilidade na formação dos     filhos, que influenciam na hora de tomar uma decisão de tal porte. Uma escolha como essa exige reflexão dos pais, pois certamente terá sérios reflexos no futuro da criança e na dinâmica familiar.

A seleção em geral se inicia pelas indicações de parentes, de outros pais e de amigos que já passaram por essa fase com seus próprios filhos. Consultas aos profissionais especializados tornaram-se também uma opção cada vez mais utilizada, já que eles possuem melhores condições de avaliar o perfil de cada criança, suas potencialidades, suas necessidades, assim como da família, e como são conhecedores das diferentes metodologias pedagógicas, minimizam os riscos de equívocos na escolha da melhor escola.

Ao buscar informações nas instituições, muitas vezes com visitas presenciais a elas, é importante saber a formação exigida dos profissionais, como professores, orientadores etc., e também que tipo de apoio e incentivo a escola oferece para incrementar a atualização do corpo docente e dos demais funcionários. Hoje existem vários cursos de extensão, aperfeiçoamento e especialização voltados para esses profissionais.

Perguntar sobre as normas disciplinares e o tipo de avaliação que será usado ao longo do ano letivo pode evitar grandes e desagradáveis surpresas aos familiares. Inclusive pode haver sérias dissonâncias entre a educação dada em casa e as normas disciplinares da escola, que evidentemente podem atrapalhar o desenvolvimento do percurso acadêmico e gerar problemas comportamentais.

Uma escola situada em um local iluminado, arejado, arborizado e silencioso oferece aspectos muito favoráveis na hora da seleção, mas não o mais importante, pois, com o passar dos anos essas características, muitas vezes se modificam e ainda têm influência relativa no aproveitamento pedagógico.

Essas visitas à nova escola devem preferencialmente ser feita em horários diferentes para permitir  observar os alunos na entrada e na saída: essa é uma forma de saber como se sentem naquele ambiente.

Conversar com outros. pais, com alguns funcionários, e procurar conhecer pessoalmente os professores tranquilizam a maioria dos pais ansiosos pois nesse contato poderão estabelecer um vínculo com os adultos que olharão pelas crianças enquanto tiverem longe deles.

Uma vez feita a primeira seleção, é importante que as crianças visitem asa escolas, não para decidirem onde vão estudar,  pois essa é uma responsabilidade que está longe de ser delas, mas sim, para que seus pais observem como se sentem no novo ambiente e trocarem ideias com os filhos sobre o assunto, o que  também é um aprendizado de escuta, observação e vínculo desses pais.

Outros aspectos de ordem prática devem ser levados em conta: o valor das mensalidades e a distância de casa.  Pode parecer pouco relevante para quem nunca manteve um filho na escola, mais o custo mensal total ultrapassa o da mensalidade e vai desde uniforme, livros, transporte, lanche às despesas com passeio, entre outras coisas.

O consenso dos pais na escolha traz uma postura de segurança e firmeza, que fará com que a criança se sinta muito mais confiante e se adapte melhor à vida acadêmica.

Cuidado especial deve ser reservado à crianças pequenas: elas precisam de maiores explicações e estímulos para acompanharem com  tranquilidade essa mudança em sua vida, para se sentirem   emocionalmente seguras de sua capacidade de lidar com o novo, e autoconfiança nesse momento em que passam da guarda integral dos pais para um mundo repleto de crianças e adultos  desconhecidos.

Crianças inseguras do afeto que seus familiares têm por elas, apresentam maior dificuldade de adaptação pois se percebem mais frágeis e incapazes de lidar com novas situações pessoais e sociais.

Selecionar a pré-escola ou assumir necessidade de mudar o filho de escola ao longo do percurso são responsabilidades que cabem aos pais, até porque serão eles que arcarão com as consequências de uma escolha pouco adequada. Crianças e adolescentes não devem estar à frente dessa opção, embora possam em um outro momento quando já houver duas ou três opções definidas por seus pais, fazer uma seleção final e enfrentar o desafio com a responsabilidade que esse ato impôs.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.