GESTÃO E CARREIRA

FOME DE VENDER

Produtos inspirados no formato ou no aroma de certos alimentos passam a fazer parte dos armários de muita gente. A estratégia é produzir desde recipientes plásticos até perfumes e bebidas

Fome de vender

Quando você olha para um morango bem vermelhinho e suculento. Provavelmente vai querer saboreá-lo. São muitas características que o fazem quere isso: o brilho da fruta, a intensidade da cor, o paladar aguçado e o fato de você associar a uma experiência anterior com a fruta. Isso sem falar em referências subjetivas como as sensações que o morango desperta: frescor, leveza, qualidade e saúde.

É por esses e outros motivos que a indústria sempre ligada a esse tipo de análise e percebe que tem um mercado a ser explorado. Os fabricantes de cosméticos já fazem isso com sabedoria. Apostam em batons com cor e embalagem em formato de frutas: shampoos com aromas de frutas e chocolate. . . “Trata-se de uma estratégia para atrair consumidores que, mesmo sem perceber, estão fazendo referência no subconsciente e se abrindo para o consumo”, explica o consultor de negócios e marketing Luan Cádimo.

POTES PLÁSTICOS

A marca de embalagens plásticas Tupperware possui em seu portfólio cerca de 13 produtos que se referem diretamente a alimentos com o formato de frutas e vegetais. São os de tomate, cebola, alho, pimentão, pimenta, banana, maçã, pera, limão, uva, laranja, morango e frutas.

As opções, que variam de R$ 21 a R$ 31 atendem a um público variado. “Vai de uma dona de casa que gosta de manter a geladeira bem organizada, com um produto que identifica o alimento, além de garantir que será conservado por mais tempo, até mesmo pessoas que têm uma rotina mais corrida, que precisam de produtos práticos para tirar a fruta da geladeira e levar para o trabalho, sem que a tampa abra na bolsa”, comenta o gerente de produtos da Tupperware Brasil, Júlio Vieira.

Vieira conta que a estratégia de trazer produtos em formato de alimentos é justamente para facilitar a identificação do alimento que estão dentro dos potes na geladeira e, ainda, ter a possibilidade de contar com um formato específico para guardar cada item. “Dessa forma, fica muito mais fácil organizar a geladeira, onde o tomate fica no pote do tomate e a cebola dentro do pote de cebola”, exemplifica o executivo.

No caso dos potes plásticos, Luan Cádimo diz que, mais do que organizar a geladeira, os produtos remetem ao conforto de casa. “Levar uma fruta que foi cortada e embalada em casa deixa o momento do lanche mais calmo e tranquilo”, pontua.

INVASÃO DE SABOR

Na rede Mestre Cervejeiro.com são mais de 3.000 cervejas cadastradas. Entre elas estão os mais diversos rótulos e, claro, alguns deles com referências a sabores, aromas bem comuns do nosso dia a dia, como o chocolate.

A cerveja Belgian Tripel Chocolate é feita de maneira colaborativa entre a rede de lojas e o chocolatier e cervejeiro americano Pete Slosberg. Ela é do estilo Belgian Tripel, um tipo tradicional de cerveja belga, com adição de cacau em pó, nibs de cacau, casca de laranja e baunilha. “O resultado foi uma cerveja com os aromas desses insumos em conjunto, com a complexidade dos   aromas frutados e de especiarias da cerveja Tripel, diz o fundador e diretor da rede Mestre Cervejeiro.com, Daniel Wolff.

A cerveja ganhou medalha de ouro no concurso internacional South Beer Cup, realizado em 2017 em Mar del Plata (Argentina). Mas não pense que uma bebida com tantas características diferentes teria um preço “comum”. Pelo contrário, ela sai entre R$90,00 e R$120,00. Para deixá-la ainda mais singular, a cerveja é sazonal, feita especialmente para comemorar as festas de fim de ano.

INTERESSE

O consultor de negócios e marketing Luan Cádimo acredita que parte do interesse do público por itens que fazem referência a alimentos está, de certo modo, ligado a curiosidade das pessoas. “Será que o creme hidratante com a forma de determinada fruta vai ter a fragrância muito forte? Será que o sabonete com formato e cor de melancia são fiéis à fruta?”, exemplifica o especialista.

Percebeu que, até agora, as frutas tão no topo das comparações nesta reportagem? Para Cádimo, existe uma explicação para isto. “As empresas entendem que a ousadia não pode ir muito longe. Já pensou em um shampoo com aroma de paçoca? Ou ainda um aromatizador de ambientes com cheiro de bacon?”, diverte-se Cádimo.

O marketing olfativo, por sinal, muito usado pelas lojas, também tem notas frutadas entre as principais escolhas por parte de quem planeja a ação com a fragrância. “Uma boa escolha de aroma para o ambiente pode determinar se o cliente vai ficar muito ou pouco tempo na loja, e se ele se sentirá ou não confortável naquele espaço para fazer compras”, diz o consultor.

Opções como nota frescas de morango, limão, tangerina ou laranja proporcionam ideia de frescor, limpeza e conforto, ou seja, optando por essas opções, vai ter clientes comprando com mais calma e colhendo sem pressa de ir para outra loja.

PONITO NEGATIVO

Nem sempre apostar em um aroma ligado a alimentos pode ser positivo. Na ansiedade de reproduzir aromas, a indústria pode errar a mão. “Às vezes, o produto torna-se enjoativo e pode criar repulsa por parte do consumidor”, diz Cádimo.

Mas tudo é uma questão de gosto. Afinal, estamos falando de um certo interesse por frutas ou legumes, porém, se as pessoas – mesmo que a maioria – não forem fãs de itens frescos, tenha certeza: eles fugirão do seu produto.

FRUTAS NA MODA

As frutas podem ainda, passar mensagens subjetivas até mesmo quando estampam tecidos ou objetos decorativos.

O abacaxi, por exemplo, tá na moda tanto em roupas como na decoração. A coroa da fruta desperta a ideia de poder e, ao mesmo tempo, o restante da fruta traz a ideia de frescor e brasilidade.

O morango passa uma mensagem mais suave. A fruta, por ser bastante delicada e sensível, acaba sendo explorada para despertar a timidez ou o desejo escondido. O pêssego, por sua vez, referese à suavidade e à beleza da mulher. A fruta delicada, assim como o morango, pode trazer uma lembrança de proximidade e confiança.

SENSAÇÃO DE CULPA

Cádimo destaca ainda que esse interesse por produtos que lembram alimentos pode ser uma forma de o nosso subconsciente suprir uma ausência com o produto. “Uma pessoa que é apaixonada por chocolate, mas está de dieta, acaba buscando um creme hidratante com aroma da guloseima para tentar suprir sua vontade”, pontua o consultor.

Ainda nessa linha, ele diz que o mesmo vale para a fruta. “Se a pessoa teve uma infância marcada por determinada fruta, quando ela a consome ou é exposta à imagem ou ao aroma, vai resgatar na memória momentos bons – ou ruins – que a estimularam a fazer a associação, esclarece Cádimo.

Fome de vender.2

AS CORES E OS EFEITOS NO CÉREBRO

BRANCO – estimula o córtex esquerdo, responsável pela lógica e pela comunicação. Entre seus efeitos está a pureza e a paz. Transmite a ideia de frescor e calma.

VERMELIHO – age na amigdala e núcleo acumbens, estruturas ligadas ao prazer. A cor proporciona a ideia de atenção, impulso e dinamismo.

ROXO – age no polo frontal, responsável pelo planejamento das ações e movimento. A cor estimula a fantasia e o mistério.

AMARELO e LARANJA são duas cores que agem no sistema dopaminérgico, que gerencia estados da recompensa e a liberação de dopamina estimula alegria, energia e entusiasmo.

 Fome de vender.3

AS MENSAGENS DOS AROMAS

CHEIRINHO DE CAFÉ: Traz sensação de conforto e de início de um novo dia. Ele dá a ideia de neutralidade, já que tem o poder de limpar o nosso olfato e, por fim, o cheiro do grão torrado é um anti estresse natural.

PÃO QUENTE: O cheiro do pão saindo do forno é um aguçador de apetite. Mais do que isso, ele lembra a infância, o que pode ser sinônimo de paz e tranquilidade.

VEGETAIS E ERVAS AROMÁTICAS: Alguns vegetais e ervas aromáticas tem o poder de transmitir renovação de energia e um toque a mais de bem-estar. O conforto acaba sendo importante, ou seja, estimula um recomeço.

 

MARKETING OLFATIVO: OS TRÊS PASSOS PARA COLOCAR EM PRÁTICA

1º DEFINA o objetivo e o público alvo da sua estratégia. Saiba se quer que a compra seja por impulso e rápida ou se quer tornar o ambiente aconchegante para uma atenção especial ao produto.

2º ESCOLHA o aroma. Nada de querer usar o que representa o seu gosto pessoal. É preciso pesquisar a mensagem que quer passar. Tem que estar em sintonia.

3º DECIDA como vai aromatizar o ambiente. Entre as opções estão a difusão, aspersão, ventilação, nebulização, ente outras. Tenha bom senso na quantidade, já que ela pode, se em excesso, provocar mal-estar no cliente.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.