ALIMENTO DIÁRIO

MATEUS 27: 33-49 – PARTE II

Alimento diário

A Crucificação

III – Temos aqui o olhar de censura e reprovação do céu, sob o qual estava o nosso Senhor Jesus em meio a todos esses insultos e indignidades dos homens. Com relação a esse, observe:

1. Como isso foi expresso por um extraordinário eclipse do sol, que se estendeu por três horas (v. 45). Houve trevas sobre toda a terra; assim entende a maioria dos intérpretes, embora haja uma tradução que o limite àquela terra. Alguns povos da Antiguidade recorrem aos anais nacionais relativos a esse eclipse extraordinário na hora da morte de Cristo, como algo bem conhecido e que serviu de aviso àquelas partes do mundo sobre algo extraordinário que estava ocorrendo; como aconteceu com o sol ao retroceder na época de Ezequias. Dizem que Dionísio, em Heliópolis, no Egito, observou essa escuridão e disse – Ou o Deus da natureza está sofrendo, ou a máquina do mundo está se despedaçando. Uma luz extraordinária deu a conhecer o nascimento de Cristo (cap. 2.2), e por isso era adequado que uma escuridão extraordinária avisasse sobre a sua morte, pois Ele é a Luz do mundo. As afrontas cometidas contra o nosso Senhor Jesus deixaram os céus atônitos e terrivelmente abalados, e alguns pensam que houve ali alguma confusão; o sol nunca tinha visto tamanha maldade como essa, e se retirou para não vê-la. Essa escuridão surpreendente e assombrosa foi planejada para fechar a boca daqueles blasfemos que estavam insultando a Cristo enquanto Ele estava pendurado na cruz; e devia parecer que, naquele momento, lançou sobre eles tamanho medo que, embora seus corações não fossem mudados, ainda assim eles se calaram e ficaram em dúvida sobre o que aquilo poderia significar, até que três horas depois as trevas se dissiparam e então (como entendemos pelo v. 47), como o Faraó quando a praga se extinguiu, novamente endureceram os seus corações. Mas o que era realmente pretendido nessa escuridão:

(1) O presente conflito de Cristo com as potestades das trevas. Então, o príncipe deste mundo e suas forças, os senhores das trevas deste mundo, seriam expulsos, destruídos e derrotados; e para tornar a vitória de Cristo ainda mais gloriosa, Ele os combate no próprio território deles. O Senhor lhes dá todas as vantagens que poderiam ter contra Ele através dessa escuridão, permite que tomem o vento e o sol, e mesmo assim os confunde e se torna mais que vencedor.

(2) Sua presente necessidade de consolos celestiais. Essa escuridão representava aquela nuvem escura sob a qual estava agora a alma humana de nosso Senhor Jesus. Deus faz o seu sol brilhar sobre o justo e o injusto; mas até mesmo a luz do sol foi negada ao nosso Salvador quando Ele se fez pecado por nós. É agradável para os olhos contemplar o sol; mas, como agora a sua alma estava extremamente triste, e o cálice do divino desagrado fora enchido para Ele sem qualquer mistura, até a luz do sol fora afastada. Quando a terra lhe negou um gole de água fresca, o céu lhe negou um raio de luz; tendo que nos libertar das trevas absolutas, Ele próprio, na profundidade de seus sofrimentos, caminha nas trevas e não tem luz (Isaias 50.10). Durante as três horas pelas quais essa escuridão se estendeu, não se diz que Ele tenha pronunciado qualquer palavra; mas passado esse período, em um silencioso isolamento em sua própria alma, que estava agora em agonia, Jesus lutou com as potestades das trevas e absorveu as sensações da desaprovação de seu Pai, não contra Ele próprio, mas contra o pecado do homem, pelo qual Ele fazia, agora, de sua alma, uma oferta. Nunca houve um período de três horas assim, desde o dia em que Deus criou o homem sobre a terra. Nunca houve um cenário tão sombrio e terrível; a crise da importante questão da redenção e da salvação do homem.

2. Como ele se queixou disso (v. 46). Por volta da hora nona, quando começou a clarear, após um longo e silencioso conflito, Jesus gritou: “Eli, Eli, lemá sabactâni”? As palavras estão relatadas na língua aramaica, na qual foram pronunciadas, porque são dignas de atenção redobrada e visam o significado perverso que os seus inimigos colocaram sobre elas, ao substituírem Eli por Elias. Nesse momento, observe aqui:

(1)  De onde o Senhor Jesus tomou as suas palavras de dor: do Salmo 22.1. Não é provável (como pensaram alguns) que Ele tenha repetido o salmo inteiro; mesmo assim, o Senhor Jesus aqui insinuou que o Salmo inteiro se aplicava a Ele, e que Davi, em espírito, falava ali da sua humilhação e exaltação. Parece que o Senhor também buscou, nos Salmos, a frase: “Em tuas mãos entrego o meu espírito”, embora Ele pudesse ter se expressado em suas próprias palavras. Assim, Ele nos ensina como a Palavra de Deus é útil para nos direcionar em oração, e para nos recomendar o uso de expressões das Escrituras em nossas orações, o que nos ajudará em nossas fraquezas.

(2)  Como o Senhor exprimiu isso em voz alta; o que evidencia a sua dor e angústia extremas, a força da natureza remanescente nele e a grande dedicação de seu espírito nessa prova. Agora as Escrituras estavam cumpridas (Joel 3.15,16). “O sol e a lua se escurecerão. E o Senhor bramará de Sião, e dará a sua voz de Jerusalém”. Davi frequentemente fala de clamar em voz alta em oração (Salmos 55.17).

(3) Qual foi a queixa. “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” Uma estranha queixa, vinda dos lábios de nosso Senhor Jesus, que, temos certeza, era o Eleito de Deus, em quem a sua alma se comprazia (Isaias 42.1), e aquele de quem Ele sempre se agradava. O Pai, como sempre, o amava. E, além disso, Jesus sabia que havia uma razão pela qual o Pai o amava, porque Ele sacrificou a sua vida pelas ovelhas. E o que dizer desse momento em que Jesus se sentia abandonado por Deus Pai em meio aos seus sofrimentos! Certamente, a tristeza nunca foi como essa, que arrancou uma queixa desse tipo daquele que, sendo perfeitamente livre do pecado, nunca poderia ser um terror para si mesmo; mas o coração conhece a sua própria amargura. Não é de admirar que uma queixa como essa fizesse a terra tremer e as pedras se fenderem; pois ela bastaria para fazer com que as duas orelhas de todos aqueles que a ouvissem estremecessem, e deve-se falar dela com grande reverência. Considere:

[1] Que o nosso Senhor Jesus foi, em seus sofrimentos, por algum tempo, abandonado por Deus Pai. Ele mesmo disse isso, e temos a certeza de que falava de sua própria condição. Não que a união entre as naturezas divina e humana estivesse enfraquecida ou abalada, o mínimo que fosse. Não, mas Ele estava, agora, pelo Espírito eterno, oferecendo a si mesmo: não como se houvesse qualquer redução do amor de seu Pai por Ele, ou do seu amor por seu Pai. Temos a certeza de que não havia em sua mente qualquer repugnância a Deus Pai ou qualquer falta de esperança de seu auxílio, nem qualquer tormento do inferno. Mas seu Pai o abandonou; ou seja, em primeiro lugar, Ele o entregou nas mãos de seus inimigos e não veio livrá-lo das mãos deles. O Pai permitiu que as forças das trevas lutassem contra o Senhor Jesus, e que fizessem o pior que podiam, algo pior do que aquilo que fizeram contra Jó. Aqui foi cumprida essa Escritura (Jó 16.11): “Deus me entregou nas mãos dos perversos”. Nenhum anjo é enviado do céu para libertá-lo, e nenhum amigo se levanta por Ele. Em segundo lugar, Deus Pai retirou de Jesus o sentimento confortador da alegria que sentia em relação a Ele. Quando a sua alma ficou perturbada pela primeira vez, Ele teve uma voz do céu para consolá-lo (João 12.27,28); quando estava em agonia no jardim, ali apareceu um anjo do céu fortalecendo-o; mas agora o Senhor Jesus não tinha nem um nem outro. Deus Pai escondeu a sua face dele, e por um momento retirou a sua vara e o seu cajado em meio ao vale da sombra da morte. Deus o abandonou, não como abandonou a Saul, deixando-o em um desespero interminável, mas da mesma maneira como às vezes abandonou a Davi, entregando-o a um desânimo ocasional. Em terceiro lugar, Deus Pai permitiu que a alma do Senhor Jesus sentisse a aflição de sua ira contra o homem por causa do pecado. Cristo foi feito pecado por nós, uma Maldição por nós; e, por essa razão, embora Deus o amasse como Filho, Ele o olhou com um semblante sério, como um Fiador. O Senhor Jesus aceitou esses sentimentos de bom grado, e abriu mão de resistir a eles – algo que Ele poderia ter feito. Mas Ele suportou essa parte de sua tarefa, assim como havia feito com todas as outras, mesmo tendo o poder de evitá-la.

[2] Que o abandono de Cristo por seu Pai era o mais doloroso de seus sofrimentos, do qual Ele mais se queixou. Aqui Ele colocou as mais lúgubres entonações de voz. Ele não disse: “Por que estou sendo torturado? E por que sou tratado com desprezo? E por que fui pregado na cruz?” Nem disse a seus discípulos, quando viraram suas costas para Ele: “Por que me abandonastes?” Mas, quando o seu Pai se distanciou, Ele clamou dessa maneira; pois isto acrescentava amargura à sua aflição e à sua angústia. Isto levou as águas até à alma (Salmos 69.1-3).

[3] Que o nosso Senhor Jesus, mesmo quando abandonado dessa maneira pelo seu Pai, o manteve como o seu Deus, apesar disso: “Deus meu, Deus meu; mesmo me desamparando, tu ainda és o meu Pai”. Cristo era o Servo de Deus que estava levando adiante a obra da redenção. Ele deveria satisfazer a justiça do Pai, e através dessa obra Ele seria glorificado e coroado. Por essa razão, Ele chama a Deus Pai de seu Deus; pois estava agora fazendo a vontade dele. Veja Isaias 49.5-9. Isso o sustentava e o mantinha, de forma que, mesmo na profundidade de seus sofrimentos, Deus era o seu Deus, e assim Ele decide se apegar a essa poderosa verdade.

(4) Veja como os seus inimigos impiedosamente caçoaram e ridicularizaram essa queixa (v. 47). Eles disseram: “Este homem chama por Elias”. Alguns acham que isso foi um engano decorrente do desconhecimento dos soldados romanos, que tinham ouvido falar de Elias e da expectativa dos judeus pela vinda dele, mas desconheciam o significado da expressão “Eli, Eli,” e por isso fizeram esse comentário impensado a respeito dessas palavras de Cristo, talvez não ouvindo a última parte do que Ele dissera devido ao barulho que o povo estava fazendo. Note que muitas das reprovações lançadas sobre a Palavra de Deus e o povo de Deus se originam de enga­ nos grosseiros. As verdades divinas são muitas vezes corrompidas pela ignorância das pessoas em relação à linguagem e ao estilo das Escrituras. Aqueles que ou­ vem pela metade distorcem aquilo que ouvem. Mas outros pensam que esse era um engano deliberado de alguns dos judeus, que sabiam muito bem o que Ele dissera, mas estavam dispostos a maltratá-lo e divertirem tanto a si mesmos como aos seus companheiros, e apresentá-lo de forma inapropriada como alguém que, sendo abandonado por Deus, é levado a confiar em seres humanos. Talvez estivessem insinuando, desse modo, que aquele que tinha fingido ser o Messias estaria agora satisfeito por estar subordinado a Elias, que se considerava apenas como um anunciador e precursor do Messias. Note que não é novidade que as devoções mais pias dos melhores homens sejam ridicularizadas e distorcidas por escarnecedores profanos; também não devemos considerar estranho que, por várias vezes, aquilo que é bem colocado na oração e na pregação seja mal interpretado e utilizado contra nós. Essa mesma distorção aconteceu com as palavras de Cristo, embora jamais alguém tenha fala­ do como Ele.

IV – O frio consolo que os seus inimigos lhe forneceram em sua agonia, uma atitude semelhante à de todos os demais.

1. Alguns lhe deram vinagre para beber (v. 48); em vez de água refrescante, para restaurá-lo e renová-lo sob esse pesa do ônus, eles o atormentavam com o que não somente aumentava a acusação com que eles o oprimiam, mas representava, também de maneira perceptível, aquele cálice de estremecimento que o seu Pai havia colocado em suas mãos. Um deles correu para buscá-lo, parecendo obsequioso para com Ele, mas, na verdade, estava feliz por ter uma oportunidade de maltratá-lo e afrontá-lo, sentindo-se temeroso de que talvez alguém quisesse arrancá-lo de suas mãos.

2. Outros, com o mesmo propósito de maltratá-lo e abusar dele, comentaram que Ele recorria a Elias (v. 49): “‘Deixa, vejamos se Elias vem livrá-lo’. Vem, deixemo-lo a sós, pois a sua situação é desesperadora. Nem o céu nem a terra podem ajudá-lo; não façamos nada, não apressemos nem retardemos a sua morte; Ele apelou a Elias, deixemos que seja socorrido por ele”.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Blog O Cristão Pentecostal

"Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho e viva. Convertam-se! Convertam-se dos seus maus caminhos!" Ezequiel 33:11b

Agayana

Tek ve Yek

Envision Eden

When We Improve Ourselves, We Improve The World

4000 Wu Otto

Drink the fuel!

Ms. C. Loves

If music be the food of love, play on✨

troca de óleo automotivo do mané

Venda e prestação de serviço automotivo

darkblack78

Siyah neden gökkuşağında olmak istesin ki gece tamamıyla ona aittken 💫

Babysitting all right

Serviço babysitting todos os dias, também serviços com outras componentes educacionais complementares em diversas disciplinas.

M.A aka Hellion's BookNook

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

La otra luna de Picasso

El arte es la esencia de la espiritualidad humana.

%d blogueiros gostam disto: