ALIMENTO DIÁRIO

MATEUS 25: 14-30 – PARTE I

20180104_191605

A Parábola dos Talentos

Nesse trecho, temos a parábola dos “talentos” que foram entregues a três servos. Isto sugere que nós estamos em uma situação de trabalho e negócios, assim como a parábola anterior sugere que nós estamos em uma situação de expectativa. Aquela mostrou a necessidade de uma preparação constante, esta mostra a necessidade de verdadeira diligência no nosso trabalho e serviço atuais. Naquela, nós somos incentivados a proceder bem para as nossas próprias almas; nesta, a nos dedicarmos para a glória de Deus e o bem dos outros.

Nesta parábola:

1. O Mestre é Cristo, que é o Dono e Proprietário absoluto de todas as pessoas e coisas, e de uma maneira especial, da sua igreja; nas suas mãos, Ele tem todas as coisas.

2. Os “servos” são os cristãos, os seus próprios ser vos; assim eles são chamados; nascidos na sua casa, comprados com o seu dinheiro, dedicados ao seu louvor, e empregados em seu trabalho. É provável que isto se destine especialmente aos ministros, que são os que o auxiliam mais de perto, e são enviados por Ele. O apóstolo Paulo frequentemente dizia ser um servo de Jesus Cristo. Veja 2 Timóteo 2.24.

De maneira geral, há três pontos importantes nesta parábola:

I – O que foi confiado a esses servos. O homem “entregou-lhes os seus bens”. Tendo lhes indicado o que deviam fazer (pois Cristo não quer que os servos estejam ociosos), ele lhes deixou algo para fazer. Observe que:

1. Os servos de Cristo têm e recebem tudo dele; pois eles mesmos não têm nenhum valor, nem têm nada que possam chamar de seu, exceto o pecado.

2. O que nós recebemos de Cristo é para que trabalhemos para Ele. Os nossos privilégios têm a intenção de nos dar trabalho. A “manifestação do Espírito é dada a cada um para o que for útil”.

3. Seja o que for que nós recebemos para usar para Cristo, ainda assim a propriedade é dele; nós somos apenas inquilinos na sua terra, “despenseiros da multiforme graça de Deus” (1 Pedro 4.10). Considere aqui:

(1)  Em que oportunidade os talentos foram confiados a estes servos. O seu mestre estava “partindo para fora da terra”, para um lugar distante. Isto está explicado em Efésios 4.8: “Subindo ao alto… deu dons aos homens”. Observe que:

[1] Quando Cristo subiu ao céu, Ele era como um homem partindo para um lugar distante; isto é, Ele partiu, com o propósito de estar ausente por muito tempo.

[2] Quando partiu, Ele se preocupou em dotar a sua igreja com todas as coisas necessárias para ela durante a sua ausência pessoal. Considerando a sua partida, Ele confiou à sua igreja verdades, leis, promessas e poder; isto era o parakatatheke – o grande depósito (como é chamado, 1 Timóteo 6.20; 2 Timóteo 1.14), “o bom depósito” que nos foi confiado; e Ele enviou o seu Espírito para capacitar os seus servos a ensinar e professar essas verdades, a colocar em vigor e observar essas leis, a aprimorar e aplicar essas promessas e a exercer e empregar esse poder, ordinária ou extraordinariamente. Assim Cristo, na sua ascensão, entregou os seus bens à sua igreja.

(2)  Em que proporção os bens foram confiados.

[1] Ele entregou “talentos”. Um talento de prata, em nossa moeda, é estimado como sendo 353 libras, onze xelins e dez centavos e meio. Observe que os dons de Cristo são ricos e valiosos. A compra que Ele fez, com o seu próprio sangue, tem um valor elevado demais; este valor é inestimável.

[2] Ele deu mais a alguns, a outros, menos. ”A um deu cinco talentos, e a outro, dois, e a outro, um, a cada um segundo a sua capacidade”. Quando a Divina Providência faz uma diferença nas habilidades dos homens, quanto à mente, corpo, situação, relações e interesses, a graça divina reparte os dons espirituais de maneira correspondente, mas ainda assim a habilidade, em si mesma, vem de Cristo. Observe, em primeiro lugar, que todos receberam pelo menos um talento, e isto não é uma quantia inicial desprezível para um pobre servo. A nossa alma é o único talento que cada um de nós recebe, e é a favor dela que devemos trabalhar.

Em segundo lugar, nem todos receberam a mesma coisa, pois não tinham as mesmas habilidades e oportunidades. Deus age livre­ mente, conforme a sua própria vontade, e reparte “particularmente a cada um como quer”; alguns são mais talhados para trabalhos de determinado tipo, outros, de outro tipo, como membros do corpo natural. Quando o dono da casa terminou de resolver essas questões, “ausentou-se logo para longe”. O nosso Senhor Jesus, quando terminou de entregar as suas instruções aos seus apóstolos, como alguém que tem pressa de partir, foi para o céu.

II – Temos aqui um relato da maneira diferente de administrar e aprimorar o que foi confiado (vv. 16-18).

1. Dois dos servos trabalharam bem.

(1)  Eles foram diligentes e leais; eles saíram “imediatamente a negociar com eles” (v. 16, versão RA. Eles utilizaram o dinheiro que lhes tinha sido confiado da maneira devida, aplicando- o em bens, e obtendo o retorno; tão logo o seu mestre tinha partido, imediatamente se aplicaram aos seus negócios. Aqueles que têm muito trabalho a fazer, como todo cristão tem, precisam iniciá-lo rapidamente, e não perder tempo. Eles saíram e negociaram. Observe que um cristão verdadeiro é um negociante espiritual. Estes negócios são chamados de mistérios, “e, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade”; é como um comércio de manufaturas; existe algo a ser feito nos nossos corações, para o bem de outros. É um comércio, uma atividade mercantil; nós abrimos mão das coisas de menor valor para nós em troca de coisas de maior valor; é um comércio de sabedoria (Provérbios 3.15; cap. 13.45). Um negociante é aquele que, tendo se decidido por este ofício, e se esforçado para aprendê-lo, se dedica ao seu negócio, direciona tudo o que tem para o sucesso do seu empreendimento, deixa todos os demais assuntos dependentes dele, e vive com o que ganha com o seu ofício. É assim que um verdadeiro cristão age no trabalho da religião; nós não temos um estoque nosso, com que negociar, mas negociamos como intermediários, com o estoque do nosso Mestre. Os dons da mente – o raciocínio, a inteligência, o estudo – devem ser usados em subserviência à religião; as alegrias terrenas – as propriedades, a credibilidade, os interesses, o poder, as preferências – devem ser aprimorados para a honra de Cristo. As ordenanças do Evangelho e as nossas oportunidades de observá-las – a Bíblia, os ministérios, os sacra­ mentos devem ser aprimoradas para a finalidade para a qual foram instituídas. A nossa comunhão com Deus deve ser mantida por meio delas, e os dons e as graças do Espírito devem ser exercidos; e isto significa negociar com os nossos talentos.

(2) Eles foram bem-sucedidos. Eles dobraram o que tinham, e em pouco tempo lucraram cem por cento. “O que recebera cinco talentos negociou com eles e granjeou outros cinco talentos”. Nem sempre somos bem-sucedidos quando negociamos os nossos talentos com os outros; no entanto, a atitude de negociar será positiva para nós mesmos (Isaias 49.4). Observe que “a mão dos diligentes enriquece” em graças, consolos, e tesouros de boas o­ bras. Existe um grande trabalho a ser feito na religião, e a este devemos dedicar muito empenho.

Observe que o lucro foi proporcional ao que os ser­ vos tinham recebido.

[1] Daqueles a quem Deus entregou cinco talentos, Ele espera o lucro de cinco, e uma colheita abundante onde Ele semeou com abundância. Quanto mais dons uma pessoa tiver, mais deverá se es­ forçar para multiplicá-los. Aqueles que têm um grande estoque para administrar precisam fazer o mesmo.

[2] Daqueles a quem Ele deu apenas dois talentos, Ele espera somente o lucro de dois, o que pode incentivar aqueles que estão situados em uma esfera de utilidade inferior e mais estreita; se eles se dispuserem a trabalhar bem, de acordo com o melhor da sua capacidade e oportunidade, eles serão aceitos, ainda que não trabalhem tão bem quanto os outros.

2. O terceiro agiu mal (v. 18): “O que recebera um foi, e cavou na terra, e escondeu o dinheiro do seu senhor”. Embora a parábola represente que apenas um, em três, não foi leal, ainda assim, em uma história que responde a esta parábola, encontramos a desproporção de maneira totalmente oposta, quando dez leprosos foram limpos, nove deles esconderam o talento, e somente um voltou para dar glória (Lucas 17.17,18). O servo infiel foi aquele que recebeu apenas um talento. Sem dúvida, há muitos que recebem cinco talentos, e enterram todos eles; são aqueles que possuem grandes capacidades, grandes pontos positivos, porém não os utilizam na obra de Deus. Mas Cristo nos indica:

(1) Que se aquele que tinha somente um talento teve de prestar contas por tê-lo enterrado, muito mais serão considerados ofensores aqueles que têm mais, que têm muitos, e os enterram. Se aquele que tinha pouca capacidade foi lançado nas trevas porque não aprimorou o que tinha, “de quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar” as suas maiores vantagens?

(2) Aqueles que têm menos a fazer para Deus, frequentemente fazem menos do que devem fazer. Alguns fazem do fato de que não têm as mesmas oportunidades de servir a Deus que outros têm uma desculpa para a sua negligência; e porque não têm os recursos para fazer o que dizem que farão, eles não fazem o que sabemos que poderiam fazer, e assim se sentam, e não fazem nada. Realmente agrava a sua negligência o fato de que quando têm apenas um talento para administrar, eles o negligenciam.

Ele “cavou na terra, e escondeu o dinheiro do seu senhor”, temendo que fosse roubado. Ele não o gastou mal, nem o empregou mal, não o usurpou, nem o dissipou, mas o escondeu. O dinheiro é como o esterco (assim costumava dizer Lord Bacon); não serve para nada quando está amontoado, mas deve ser espalhado. Há um mal que nós temos visto frequentemente sob o sol: um tesouro acumulado (Tiago 5.3; Eclesiastes 6.1,2), que não traz o bem a ninguém. E a mesma coisa acontece com os dons espirituais; muitos os têm, e não os utilizam para a finalidade para qual eles lhes foram concedidos. Aqueles que têm propriedades, e não dispõem delas nas obras de piedade e caridade; que têm poder e vantagens, e não fazem nada com eles para promover o Evangelho nos lugares onde vivem; os ministros que têm capacidade e oportunidades de trabalhar bem, mas não despertam o dom que há neles, são aqueles servos negligentes que procuram as suas próprias coisas, em lugar das de Cristo.

Ele escondeu o dinheiro do seu senhor. O dinheiro tinha sido seu, ele poderia ter feito com ele o que desejasse. Contudo, sejam quais forem as capacidades e vantagens que tenhamos, elas não são nossas, nós apenas as administramos, e devemos prestar contas ao nosso Senhor, pois este s dons são dele. Piorava a sua negligência o fato de os seus companheiros se ocupa­ rem do seu negócio e serem bem-sucedidos, e o zelo deles devia ter estimulado o dele. Os outros são ativos, e nós seremos ociosos?

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.

Blog O Cristão Pentecostal

"Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus, não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho e viva. Convertam-se! Convertam-se dos seus maus caminhos!" Ezequiel 33:11b

Agayana

Tek ve Yek

Envision Eden

When We Improve Ourselves, We Improve The World

4000 Wu Otto

Drink the fuel!

Ms. C. Loves

If music be the food of love, play on✨

troca de óleo automotivo do mané

Venda e prestação de serviço automotivo

darkblack78

Siyah neden gökkuşağında olmak istesin ki gece tamamıyla ona aittken 💫

Babysitting all right

Serviço babysitting todos os dias, também serviços com outras componentes educacionais complementares em diversas disciplinas.

M.A aka Hellion's BookNook

Interviews, reviews, marketing for writers and artists across the globe

Gaveta de notas

Guardando idéias, pensamentos e opiniões...

Isabela Lima Escreve.

Reflexões sobre psicoterapia e sobre a vida!

Roopkathaa

high on stories

La otra luna de Picasso

El arte es la esencia de la espiritualidad humana.

%d blogueiros gostam disto: