PSICOLOGIA ANALÍTICA

SINCRONIA NA DOR

Sincronia na dor

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade do Colorado Boulder (EUA) e da Universidade de Haifa, Israel, descobriu que a empatia de um parceiro num momento de dor física, manifestada por meio de toque físico (mãos dadas), reconforta a mulher e melhora o sintoma. O fenômeno seria promovido por uma sincronia de ondas cerebrais que ocorre entre o casal nesse momento – e quanto mais sincronizam, mais a dor diminui e tende a desaparecer.

Ao todo, 22 casais heterossexuais, de 23 a 32 anos, foram selecionados como voluntários da pesquisa. Trata-se de parceiros que estiveram juntos por pelo menos um ano, que foram solicitados a se expor em diversos cenários, que envolviam algum ou nenhum toque físico entre eles. Tais situações se repetiram com a parceira sofrendo algum estímulo doloroso. As atividades cerebrais dos casais foram medidas por eletroencefalografia (EEG).

Entre os casais, somente em presença um do outro, com ou sem toque, houve alguma sincronia de ondas cerebrais na banda alfa mu, um comprimento de onda associado à atenção dirigida. Quando eles mantinham as mãos dadas enquanto a parceira sentia dor, a sincronia mostrava-se mais intensa. No momento de dor, a ausência do toque do parceiro também foi associada a menor sincronia de ondas cerebrais.

O mecanismo cessador ativado no experimento ainda não foi decifrado, sendo evidente apenas a relação causa-efeito entre os fenômenos. Os pesquisadores também alertam para o fato de que esses resultados podem variar entre casais de natureza homossexual, sendo necessários outros experimentos para averiguá-los. O mesmo vale para um experimento em que o homem seja o voluntário a receber estímulos dolorosos e a empatia da parceira.

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.