ALIMENTO DIÁRIO

MATEUS 13: 44-52

20180104_191613

Várias Parábolas

Temos quatro breves parábolas nesses versículos.

 I – A do “tesouro escondido num campo”. Até aqui, temos comparado o Reino dos céus com coisas pequenas, porque o seu início foi pequeno; mas, para evitar que por isso se pense nele corno algo pequeno ou desprezível, nessa parábola e na próxima, o Senhor o representa como tendo grande valor por si próprio, e como sendo de grande vantagem para aqueles que o abraçam, e que estão dispostos a aceitar os seus termos. O Reino de Deus é aqui comparado com um tesouro escondido no campo, que pode ser nosso, se o quisermos.

1.Jesus Cristo é o verdadeiro tesouro; nele há urna abundância de tudo que é rico e útil, e haverá urna parte para nós: toda a plenitude (Colossenses 1.19; João 1.16). Estes são tesouros de sabedoria, conhecimento (Colossenses 2.3), justiça, graça e paz; tudo isto está reservado para nós em Cristo; e, se nos interessarmos pelo Senhor, todas estas bênçãos serão nossas.

2.O Evangelho é o campo no qual o tesouro está escondido: está escondido na Palavra do Evangelho, tanto no Antigo Testamento corno no Evangelho que está expresso no Novo Testamento. Nas ordenanças do Evangelho, esse tesouro está escondido como o leite no peito, como a medula nos ossos, como o maná no orvalho, como a água no poço (Isaias 12.3), e como o mel no favo. Ele está escondido, não em um jardim cercado, nem em uma fonte que foi fechada, mas em um campo, em um campo aberto; quem quiser pode vir e buscá-lo nas Escrituras. Todos podem cavar nesse campo (Provérbio 2.4); e quaisquer minas valiosas que achemos serão nossas, desde que tornemos o caminho certo.

3.É algo valioso descobrir o tesouro escondido nesse campo, e o valor indescritível que ele possui. A razão de tantos darem pouca importância ao Evangelho, e não desejarem se dedicar a ele, não se sujeitarem a correr riscos por ele, é por que só estão olhando para a superfície do campo, e o julgam superficialmente. E assim não estão enxergando a excelência que está contida nas instituições cristãs, que são muito superiores às dos filósofos; e mais que isso, as mais ricas minas estão frequentemente nos solos que parecem ser os mais estéreis. Assim, eles se recusam a fazer qualquer oferta pelo campo, e muito menos se dispõem a pagar o preço que devem pagar para tê-lo. Por que é o teu amado mais que o amado de outrem? Por que a Bíblia Sagrada é superior a outros bons livros? Por que o Evangelho de Cristo é superior à filosofia de Platão, ou às sentenças morais de Confúcio? Mas aqueles que têm pesquisado as Escrituras com a finalidade de encontrar nelas Cristo e a vida eterna (João 5.39), descobriram um tesouro nesse campo que o torna infinitamente mais valioso do que qualquer outro.

4.Aquele que discerne esse tesouro no campo, e o avalia corretamente, não sossegará até que o faça seu em quaisquer termos. Aquele que encontrou o seu tesouro, o esconde. Isto denota um ciúme sagrado, que tem a finalidade de evitar que fiquemos para trás (Hebreus 4.1), tomando o cuidado necessário (Hebreus 7.15) para evitar que Satanás se coloque entre nós e o nosso tesouro. Então aquele que encontra este tesouro se delicia, como se a barganha ainda não tivesse sido feita; ele está contente por haver uma barganha como esta a ser feita. Ele está ficando interessado por Cristo. Os termos dessa negociação estão sendo negociados: alegre-se o coração daqueles que buscam ao Senhor (Salmos 105.3). Então aquele que encontrou o tesouro no campo decide comprá-lo: aqueles que abraçam as ofertas do Evangelho, nos termos do Evangelho, compram esse campo, fazem-no seu, devido ao valor do tesouro que está escondido nele. É em Cristo – que está no Evangelho que devemos manter os nossos olhos bem fixos; nós não precisamos subir ao céu, pois o Senhor Jesus Cristo está bem perto de nós, em sua Palavra. Então aquele que encontrou o tesouro no campo está tão interessado nele, que vende tudo o que tem para comprar esse campo. Aqueles que desejam o benefício da salvação em Cristo devem estar dispostos a se separar de tudo, para assegurarem este precioso tesouro para si. Eles devem considerar todas as coisas como perda, para que possam ganhar a Cristo, e ser achados nele.

 

II – A da” pérola de grande valor” (vv.45,46), que tem o mesmo significado da anterior, falando de um tesouro. O sonho é assim dobrado, pois a coisa é certa.

Considere que:

1.Todos os filhos dos homens estão ocupados, buscando boas pérolas: um quer ser rico, outro quer ter honras, outro quer ser sábio; mas a maioria sofre imposições, e se afeiçoa a pérolas falsificadas.

2.Jesus Cristo é a pérola de grande valor, a joia de valor inestimável, que fará os que a possuem ricos, verdadeiramente ricos, ricos em relação a Deus; se o tivermos, teremos o suficiente para sermos felizes aqui e na eternidade, para sempre.

3.Um cristão verdade iro é um mercador espiritual, no bom sentido do termo, pois procura e encontra essa pérola valiosa. Ele não se afeiçoa a nada que não leve a um interesse em Cristo, e, como alguém que está deter­ minado a ser espiritualmente rico, negocia alto: ele foi e comprou aquela pérola. Não só ofertou um lance por ela, mas a adquiriu. De que irá nos ajudar conhecer a Cristo, se nós não o conhecermos como nosso, “feito para nós sabedoria” (1 Coríntios 1.30).

4.Aqueles que têm interesse na salvação através de Jesus Cristo, devem estar desejosos de se separar de tudo por amor a Ele, de deixar tudo por Ele. Devemos deixar, com alegria – mesmo que se trate de algo que seja muito estimado por nós -, qualquer coisa que se opuser a Cristo, ou que vier a entrar em competição com Ele pelo nosso amor e serviço. Um homem pode comprar ouro por um alto preço, mas não essa pérola de grande valor.

 

III – A da “rede lançada ao mar” (vv. 47-49).

1.Eis aqui a parábola. Observe nela que:

(1) O mundo é um mar vasto, e os filhos dos homens são seres inumeráveis, animais pequenos e grandes, nesse oceano (Salmos 104.25). Os homens, em seu estado natural, são como os peixes dos mares que não têm um soberano sobre si (Habacuque 1.14).

(2) A pregação do Evangelho consiste em se lançar uma rede para dentro desse mar, mas para pegar algo dele, para a glória daquele que tem a soberania sobre esse mar. Os ministros são pescadores de homens, empregados para lançar e recolher essa rede; e então eles prosperam quando, pela Palavra de Deus, lançam a rede. De outro modo, eles trabalhariam e não pegariam nada.

(3) Essa rede junta peixes de todos os tipos, assim como fazem as grandes redes de arrasto. Na igreja visível, há uma determinada quantidade de lixo e detritos, sujeira, vermes e ervas daninhas, e também peixes.

(4) Aproxima-se o tempo em que esta rede estará cheia, e será levada à praia; um tempo determinado quando o Evangelho terá cumprido o objetivo pelo qual foi enviado; e temos a certeza de que ele não retornará vazio (Isaias 55.10,11). A rede está se enchendo agora; às vezes, ela enche mais rápido do que em outros momentos, mas ainda está enchendo, e quando estiver cheia, será levada à praia, tempo em que o mistério de Deus concluíra sua obra.

(5) Quando a rede estiver cheia e for levada à praia, haverá uma separação entre o bom e o ruim que estão recolhidos nela. Os hipócritas e os cristãos verdadeiros serão então separados; os bons serão juntados em cestos, como valiosos, e por isso serão cuidadosamente guardados. Porém os maus serão lançados para fora, como vis e inúteis. A condição daqueles que serão lançados fora naquele dia será miserável. Enquanto a rede estiver no mar, não se saberá o que está dentro dela, nem mesmo os próprios pescadores poderão distinguir. Mas então eles a recolhem cuidadosamente, levando tudo o que está nela para a praia, por amor e consideração aos bons que estão nela. Tal é o cuidado de Deus para com a igreja visível, e tal deve ser a preocupação dos ministros por aqueles que estão sob a sua responsabilidade, apesar de todos estarem misturados.

2.Aqui está a explicação da última parte da parábola. A primeira é óbvia e clara o suficiente; nós vemos juntos, na igreja visível, pessoas de todos os tipos. Mas a última parte se refere àquilo que ainda está por vir, e por isso é mais detalhadamente explicada (vv. 49,50). Assim será no fim do mundo; então, e não antes disso, será o dia da divisão e da descoberta. Não devemos procurar pela rede cheia apenas de todos os tipos de peixes bons; os cestos serão assim; mas na rede eles estão misturados. Veja aqui:

(1) A distinção entre os justos e os ímpios. Os anjos do céu virão para fazer aquilo que os anjos das igrejas nunca puderam fazer; eles separarão os justos e os ímpios. E não precisamos perguntar como é que eles farão esta distinção quando estiverem cumprindo as instruções daquele que conhece todos os homens, que conhece particularmente aqueles que são seus, e aqueles que não o são. Devemos ter a certeza de que não haverá engano ou confusão, de forma alguma.

(2) A ruína dos ímpios, quando forem assim separados. Eles serão lançados para dentro da fornalha. Note que um sofrimento eterno e tristezas eternas certamente serão a parte que caberá aos ímpios que vivem entre os santificados. Esta é a mesma situação que vimos anteriormente (v. 42). O próprio Cristo pregava frequentemente a respeito dos tormentos do inferno, como a punição eterna dos hipócritas; desse modo, é bom sermos frequentemente relembrados dessa verdade que nos revigora e desperta.

 

IV – Aqui está a parábola do bom “pai de família”, que tem a finalidade de fazer com que gravemos todas as demais.

1.A sua ocasião era a boa proficiência que os discípulos haviam atingido em aprender, e o ganho deles com esse sermão em particular.

(1) O Senhor lhes perguntou: “Entendestes todas estas coisas?”, sugerindo que estava pronto para explicar aquilo que eles não tivessem entendido. A vontade de Cristo é que todos aqueles que leem e ouvem a Palavra a entendam. Pois, de outro modo, como poderiam ser beneficiados por ela? Portanto, será bom se ao lermos ou ouvirmos a Palavra, nos examinarmos, para verificar se a entendemos ou não. Ser discipulados não foi nenhum demérito para os apóstolos de Cristo. O Senhor Jesus Cristo nos convida a buscar nele a instrução de que necessitamos, e os ministros devem estar sempre dispostos a ajudar aqueles que tenham qualquer boa indagação, oferecendo-se para explicar os seus ensinos detalhadamente.

(2) Eles responderam: “Sim, Senhor”, e nós temos motivos para crer que eles falaram a verdade, porque, quando não haviam compreendido, pediram uma explicação (v. 36). E a explicação dessa parábola foi a chave para as demais. A compreensão correta de um bom sermão será uma importante ajuda para que possamos compreender outro; pois as boas verdades se explicam mutuamente, e ilustram umas às outras. E o conhecimento é fácil para aquele que tem entendimento.

2.O próprio objetivo da parábola foi dar a sua aprovação e elogiar a proficiência deles. Cristo está pronto para encorajar aqueles que tiverem o desejo de aprender em sua escola, mesmo que sejam fracos. O Senhor tem sempre uma palavra de elogio e estímulo aos seus seguidores: “Bem está, servo bom e fiel”.

(1). O Senhor os elogia como escribas instruídos sobre o Reino dos céus. Eles estavam agora aprendendo o que poderiam ensinar; e os professores, entre os judeus, eram os escribas. Esdras, que preparou o seu coração para ensinar em Israel, é considerado um escriba muito hábil (Esdras 7.6,10). Agora, um habilidoso e fiel ministro do Evangelho também é um escriba. Mas, por distinção, ele é chamado de escriba instruído sobre o Reino dos céus, bem versado nas coisas do Evangelho, e bem capacitado para ensinar essas coisas. Perceba que:

[1]. Aqueles que vão instruir outros precisam ser bem instruídos. Se os lábios do sacerdote devem guardar o conhecimento, é necessário que ele tenha, primeiramente, o conhecimento.

[2]. O ministro do Evangelho deve ser instruído a respeito do Reino dos céus, pois este é um pré-requisito para que ele seja bem-sucedido em sua tarefa, que consiste em contribuir para o crescimento desse reino. Um homem pode ser um grande filósofo e orador; porém, se não for instruído a respeito do Reino dos céus, ele não será mais do que um mau ministro.

(2). Ele os compara com um pai de família que tira do seu tesouro coisas novas e velhas; os frutos da estação passada e os frutos da colheita desse ano – abundância e variedade, para o enriquecimento de seus amigos (Cantares 7.13). Observe aqui:

[1]. Quais são os recursos que um ministro deve ter: um tesouro de coisas novas e velhas. Aqueles que têm tantas e tão variadas ocasiões, têm a necessidade de armazenar, bastante em seus dias de colheita, guardando verdades antigas e novas, extraídas tanto do Antigo como do Novo Testamento. É necessário ter em mente as melhorias modernas e antigas, para que o homem de Deus esteja amplamente capacitado (2 Timóteo 3.16-17). Tanto as experiências antigas como as observações novas têm o seu uso. E não devemos nos contentar com velhas descobertas, mas devemos estar adicionando novas. Viver e aprender.

[2]. Que uso ele deve fazer de suas posses. O obreiro deve saber administrar; é necessário armazenar para que se possa gastar em benefício de outros. – Vocês devem armazenar, mas não para si próprios. Muitos estão cheios de recursos, mas eles não têm um “respiradouro” (Jó 32.19); têm um talento, mas o enterram. Assim se comportam os servos inúteis. Mas veja a diferença: o próprio Senhor Jesus Cristo recebeu para que pudesse dar; assim devemos agir, e teremos cada vez mais para compartilhar. Quando o objetivo é produzir, as coisas antigas e novas devem estar juntas, pois trarão um ótimo resultado; verdades antigas, mas métodos e expressões novas, especialmente afeições novas.

Anúncios

GESTÃO E CARREIRA

FRANQUIAS: PROVA DE FOGO

Processo seletivo de franqueadores pode ser um desafio para quem sonha em ter uma franquia de sucesso. Apesar de muitas redes exigirem pouco no momento pré-contrato, é preciso estar bem preparado para evitar decepção.

Prova de fogo

O mercado de franquias é dinâmico: a quantidade de interessados na abertura de novas unidades cresce ano a ano, mesmo diante da crise. A procura é grande, mas, para que o resultado não seja decepcionante, as franqueadoras passam um pente fino na vida do candidato. Algumas são mais rígidas, outras nem tanto.

Apesar de toda a discussão em relação à seleção do perfil ideal do franqueado, boa parte das redes de franquia ainda continua fazendo a triagem de candidatos apenas com base no capital que ele tem disponível para investir, o que é um erro grave, segundo o especialista em franchising e CEO da FranquiAZ, Diego Simioni. “Uma boa triagem de candidatos deve analisar não só experiência e habilidades, mas também aspectos comportamentais. Por isso, para que aconteça uma boa triagem, é necessário, antes de tudo, ter muito claro qual é o perfil do franqueado procurado”, afirma Simioni, que complementa: “Costumo dizer que traçamos o perfil do candidato ideal, mas na realidade ele é um mito. A partir do perfil ideal, o franqueador deve saber de quais aspectos do perfil ele poderá abrir mão pois será capaz de treinar o franqueado até que ele fique mais próximo daquilo que é esperado para a rede”.

BOM PARA QUEM?

Uma boa análise de perfil é benéfica tanto para a franqueadora quanto para o candidato, mas quem sai ganhando de fato é o candidato. Afinal, se ele entra para a rede sem perfil, pode se frustrar e ter um grande prejuízo financeiro. Isso poderá acarretar um grande impacto em sua vida futura. Já o franqueador também terá prejuízos, mas, na maioria dos casos, seguirá com a sua rede de franquias.

Para o consultor de franchising da Global Franchise, Fábio Cesar Di Mauro, o processo seletivo é sinônimo de segurança. até mesmo como forma de evitar que o franqueado compre uma franquia achando que está adquirindo um emprego ou uma fórmula mágica de fazer dinheiro. “O processo de triagem precisa alinhar as expectativas do candidato com as expectativas reais do negócio, pois muitas vezes o candidato gosta da marca, é cliente dela, mas todo o processo para aquele negócio funcionar pode apresentar uma realidade bem diferente da que ele acredita”, diz Di Mauro.

PERFIL COMERCIAL

A exigência de perfil comercial é uma das principais requisições feitas pela rede de intercâmbio Global Study. Além disso, a equipe de expansão analisa qual o nível de experiência do candidato sobre a gestão de pessoas, como é o comportamento do candidato perante a adversidade, a intensidade do poder de inovação e de que forma ele se adapta às mudanças de mercado. “Aceitar um franqueado somente porque tem capital e aumentar o número de unidades, para nossa franquia não é um bom modelo.

Temos dois casos em que o franqueado não tinha todo o capital necessário, mas tinha muito potencial, hoje estão entre as melhores unidades da rede, comenta o sócio fundador da Global Study, Flávio Imamura.

A marca pretende expandir em cidades do Estado de São Paulo e capitais brasileiras com mais de 400 mil habitantes. Porém, em 2018, segundo Imamura, o processo será muito mais criterioso do que em anos anteriores. “Iremos valorizar bem o perfil do franqueado. Investidores são bem-vindos, desde que tenham um sócio operador com perfil desejado”, pontua.

DETALHADO, MAS SEM RIGIDEZ

Na rede de cafeterias Sterna Café, o processo seletivo é detalhado, mas sem rigidez. Como na maioria das redes, o primeiro passo é o preenchimento de uma ficha de pré-qualificação. “A franqueadora observa o capital disponível, a disponibilidade de tempo e a expectativa em relação ao faturamento e retomo do candidato. pontua um dos franqueadores da rede Sterna Café, Deiverson Migliatti,

Foi por esse tipo de critério que passaram os franqueados das oito cidades que estão em operação – a rede tem ainda duas lojas próprias. Quem passa a operar uma unidade da marca faz parte de um negócio que tem como estratégia estar locado em lugares com grande circulação de pessoas. São três pilares de atendimento: o próprio espaço do café, eventos corporativos (Coffee Break, Welcome Coffee, Coquetel e Happy Hour) e delívery.

 ALINHAMENTO

A   rede   de    restaurantes   BurBurrito adotou como estratégia a análise de perfil que destaca os seguintes fatores: know-how de gestão empresarial capacidade de investimento, liderança, comprometimento, capacidade de motivar pessoas, bom relacionamento, organização, entusiasmo pessoal, automotivação, capacidade persuasiva, ser bom negociador, saber gerenciar conflitos e ter ótima comunicação verbal e escrita. “Todos esses fatores são analisados durante a negociação entre o consultor e o investidor através de uma ficha de candidatura e de todo o contato estabelecido entre eles”, explica o gerente nacional de expansão da Teaser Franchising – empresa responsável pela expansão da BurBurrito -, Jeremias Atanázio Andrade. Andrade diz que por ser de um modelo de franquia simplificado, o franqueado não precisa ter experiência na área, devido aos treinamentos a que a franqueadora submete o investidor para ele estar apto a gerir seu negócio. “Diversas vezes recebemos investidores interessa­ dos em ‘comprar’ a franquia, porém não em administrá-la presencialmente, assim consequentemente oferecemos alguma outra marca de nosso portfólio por não se encaixar no perfil proposto pela franqueadora”, esclarece o executivo.

A marca que entrou para o sistema de franquias no ano passado conta atualmente com duas unidades franqueadas. A expansão está focada em cidades do litoral brasileiro.

 

RISCOS

As franqueadoras que não analisam o perfil do candidato e fazem negócio apenas para ganhar o dinheiro da taxa de franquia, que o candidato paga para fazer parte da rede, tem um perfil visto como inaceitável por especialistas.

De acordo com Fábio Cesar Di Mauro da Global Franchise, as redes de franquias precisam entender o que aquele candidato quer, e não vender sonhos, promessas e iludi-lo para que o negócio seja concretizado. “Não vejo sentido em vender uma franquia que vai ter um resultado líquido de R$5 mil por mês, quando o candidato procura algo que sobre R$10 mil ou R$15 mil. Ou um retorno de investimento que o candidato só vai conseguir com mais de três anos no negócio, quando ele gostaria muito de recuperar o investimento em até dois anos”, exemplifica.

Alinhar as expectativas quanto ao suporte da franqueadora, os valores que a franquia costuma gerar e o papel de cada um na relação franqueador X franqueado são fundamentais no processo de venda da franquia.

Além das expectativas financeiras, é preciso alinhar com o candidato o papel das partes, ou seja, o que cabe à franqueadora e o que cabe ao candidato no dia a dia da franquia. Portanto, questões sobre gestão de pessoas no ponto de venda do franqueado, divulgação do negócio na região do candidato, administração financeira da unidade franqueada, serão funções do franqueado e não da franqueadora. É preciso que o franqueado entenda que a franqueadora não vai administrar e fazer o negócio dar certo. Outro ponto importante é que a franquia, como qualquer outro negócio, tem riscos. Riscos reduzidos, pois o candidato terá acesso a todo um know-how e suporte da franqueadora para enfrentar desafios, mas isso não significa que não tenha riscos.

 

3 ATITUDES QUE PODEM ATRAPALHAR NO PROCESSO SELETIVO

  • Não ter o espirito de “querer fazer acontecer”
  • Demonstrar dificuldade em seguir padrões. Falar sobre possíveis mudanças do modelo de negócio antes mesmo de fechar negócio pode ser um tiro no pé.
  • Não ter afinidade ou interesse pelo ramo de atuação da marca e pensar, única e exclusivamente, no retorno financeiro. Esse pode ser um sinal vermelho que a franqueadora identifica e avalia negativamente.

 

 Prova de fogo2

 

Prova de fogo3

 Fonte: Revista Gestão e Negócios – Edição 97

 

 

PSICOLOGIA ANALÍTICA

5 APLICATIVOS PARA CRIANÇAS COM AUTISMO

Visuais e intuitivas, essas ferramentas podem facilitar e estimular as habilidades de comunicação e interação dos pequenos com transtorno do espectro autista (TEA), além de ajudar a reduzir o estresse causado por dificuldades de linguagem e eventuais mudanças na rotina.

5 aplicativos pa crianças com autismo

 

  1. PARA LIDAR COM MUDANÇAS: Minha rotina especial

Em português, ajuda a organizar atividades do dia a dia e a diminuir a ansiedade quando necessária a inclusão de uma atividade diferente, como visita ao médico ou uma viagem. Segue a linha da ferramenta First Then, permitindo planejamento detalhado e instrução para o passo a passo de atividades, mesmo as mais simples, como ir ao banheiro e escovar os dentes. Não é gratuita, disponível para Android e iPad: minharotina.com.br.

 5 Aplicativos para crianças com autismo (2)

  1. COMUNICAÇÃO RÁPIDA: Tobii

Totalmente baseado em símbolos muito objetivos, permite a comunicação rápida de necessidades para crianças com TEA que não se expressam verbalmente. Possibilita construir frases específicas e informar sobre necessidade de ida ao banheiro, dores, fome, vontades, preferências por lugares e atividades. É possível baixar preview gratuito em português no iTunes: apple. co/2unyS5L.

 5 Aplicativos para crianças com autismo (4)

  1. TRADUÇÃO DE COMANDOS EM VOZ: Livox

Vencedor de prêmio da ONU de melhor aplicativo de inclusão, o Livox (Liberdade em voz alta) foi criado pelo analista de sistemas pernambucano Carlos Pereira, pai de uma menina com paralisia cerebral, e já traduzido para 25 línguas. Traduz para comandos em voz símbolos tocados na tela pelo usuário. A vantagem é que possibilita a comunicação de pessoas não apenas com dificuldades de comunicação, mas também motoras. Já conta com repertório de mais de 12 mil imagens, que direcionam para alternativas bem específicas. Por exemplo, a criança pode escolher comer uma massa e o tipo de molho. Disponível em http://www.livox.com.br, conta com informações específicas para usar o aplicativo de acordo com o tipo de deficiência da criança.

5 Aplicativos para crianças com autismo (3) 

  1. FAZER RELATOS: Story Creator

Permite a criação de histórias rápidas para que a criança se comunique e conte suas vivências por meio de desenhos, com a possibilidade de inserir fotografias e convidar um adulto para narrar a história desenhada. Pode ser adquirido pelo iTunes: apple.co/2ueevr2.

5 Aplicativos para crianças com autismo (5) 

  1. MENSAGENS INSTANTÂNEAS: Tippy Talk

Em inglês, mas totalmente visual, permite a comunicação instantânea por celular entre crianças com TEA e os pais ou outros adultos. A criança pode montar frases com símbolos, que chegam por mensagem de texto ao celular da pessoa com quem ela deseja se comunicar. Pode ser baixado na Google Play ou na Apple Store: www.tippy-talk.com.

 5 Aplicativos para crianças com autismo()5

Fonte: Revista Mente & Cérebro – Edição 296