PSICOLOGIA ANALÍTICA

COMO A RESPIRAÇÃO AFETA OS SENTIMENTOS

O fato de inspirar ou expirar pela boca ou pelo nariz altera a maneira como as pessoas percebem os estímulos externos.

Como a respiração afeta os sentimentos

A forma como respiramos influi em nossas emoções e até na maneira como pensamos. Cientistas comprovaram, pela primeira vez, que o ritmo da entrada e saída de ar no corpo cria uma atividade elétrica no cérebro humano que acentua os julgamentos emocionais e até lembranças desconfortáveis. Esses efeitos se alteram se a pessoa está inspirando ou expirando – e se ela respira pelo nariz ou pela boca. No estudo, desenvolvido na Faculdade de Medicina da Universidade de North western, voluntários foram capazes de identificar uma expressão amedrontada mais rapidamente quando deparavam com o rosto enquanto inalavam do que quando exalavam. Os participantes tiveram mais facilidade em se lembrar de um objeto quando se deparavam com ele enquanto inspiravam do que quando expiravam. O efeito desaparecia se eles estivessem respirando pela boca.

“Uma das principais descobertas desse estudo é que existe uma grande diferença na atividade cerebral na amígdala e no hipocampo durante a inspiração em comparação com a expiração”, explicou a autora principal do estudo, Christina Zelano, professora assistente de neurologia da Escola de Medicina Feinberg da Universidade North western. “Quando você inspira, nós descobrimos que você está estimulando neurônios no córtex olfativo, amígdala e hipocampo, através de todo o seu sistema límbico.” O estudo foi publicado no periódico científico Journal of Neuroscience. O autor sênior é Jay Gottfried, professor de neurologia na Feinberg.

Os pesquisadores chegaram a essas conclusões ao acompanhar sete pacientes com epilepsia que estavam com cirurgias cerebrais marcadas. Uma semana antes dos procedimentos, um cirurgião implantou eletrodos no cérebro dos pacientes para identificar a origem das convulsões. Isso permitiu que os cientistas adquirissem dados eletrofisiológicos diretamente do cérebro dos pacientes. Os sinais elétricos registrados mostraram que a atividade cerebral flutuou durante a respiração. A atividade ocorre em áreas cerebrais nas quais emoções, memórias e cheiros são processados.

A descoberta levou os cientistas a se perguntar se as funções cognitivas tipicamente associadas com essas regiões do cérebro – especialmente o processamento do medo e da memória – poderiam ser afetadas também pela respiração. A amígdala está fortemente associada com o processamento emocional, em particular emoções relacionadas ao medo. Desse modo, os cientistas pediram a 60 pessoas, no ambiente do laboratório, que tomassem uma decisão rápida sobre expressões emotivas enquanto registravam a respiração deles.

Os voluntários receberam fotos de rostos com expressões de medo ou surpresa e tiveram de indicar rapidamente qual emoção cada rosto estava expressando. Quando encaravam as fotos durante a inspiração, os indivíduos as reconheciam como amedrontadas mais rapidamente do que quando faziam o mesmo durante a expiração. Isso não aconteceu com as expressões de surpresa. Esse efeito diminuiu quando os participantes realizaram a mesma tarefa enquanto respiravam pela boca. Portanto, o efeito é específico para estímulos de emoções de medo durante a respiração pelo nariz. Em um experimento que tinha como objetivo acessar a função da memória (ligada ao hipocampo), os mesmos participantes observaram fotos de objetos em uma tela de computador e foram instruídos a memorizá-las. Os pesquisadores descobriram que os participantes do experimento se lembraram melhor quando tinham encarado as imagens durante a inspiração.

“Isso significa que uma respiração rápida poderia conferir vantagens quando alguém está numa situação perigosa”, explica Zelano. “Se você está em um estado de pânico, o ritmo da sua respiração se torna mais rápido”, afirma. “Como resultado, você passará proporcionalmente mais tempo inalando do que em um estado calmo; assim, a resposta natural do nosso corpo ao medo em aumentar a frequência da respiração pode ter um impacto positivo no funcionamento do cérebro e resultar em uma resposta mais rápida a estímulos perigosos do ambiente.” Outro insight potencial da pesquisa diz respeito aos mecanismos básicos da meditação ou percepção da respiração. “Quando a pessoa inspira, em certa medida está sincronizando oscilações cerebrais por meio da rede límbica.”

MAIS COMPLEXO DO QUE PARECE

Seres humanos respiram automaticamente, em média, 12 vezes por minuto. O cérebro ajusta a cadência da inspiração e expiração às necessidades do corpo sem nenhum trabalho consciente, embora todos tenhamos a capacidade de prender deliberadamente a respiração por curtos períodos.

Essa habilidade é valiosa quando precisamos evitar que água ou poeira invadam nossos pulmões, estabilizar o tórax antes do esforço muscular e aumentar o fôlego para falarmos sem pausas. É surpreendente que, apesar de mantermos a respiração de forma tão natural, a ciência ainda não tenha a compreensão clara desse processo e de todos os seus efeitos no cérebro.

Quando falta oxigênio, o diafragma envia ao cérebro informações sobre a bioquímica do organismo. Inicialmente, esses sinais são interpretados apenas como leve desconforto; quando se tornam intoleráveis forçam o retorno da respiração para evitar a perda da consciência – e, muito antes de haver danos, mecanismos neurológicos entram em ação.

Mas o que determina o tempo durante o qual conseguimos reter a respiração?  Surpreendentemente, investigar esse problema não é tão fácil.

Embora todos os mamíferos tenham essa habilidade, não foi descoberta uma forma de persuadir animais de laboratório a prender a respiração voluntariamente por mais de alguns segundos. Consequentemente, a apneia voluntária só pode ser estudada em humanos. Se o cérebro deixar de receber oxigênio durante um período muito longo, há riscos imediatos de perda da consciência, dano cerebral e morte – perigos que tornariam vários experimentos antiéticos potencialmente esclarecedores. Na verdade, alguns estudos tomados como referências nas últimas décadas são impossíveis de serem reproduzidos por violarem as normas de segurança.

Em 1959 o fisiologista Hermann Rahn, da Faculdade de Medicina da Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos, usou uma combinação de métodos pouco comuns – como desaceleração do metabolismo, hiperventilação, preenchimento dos pulmões com oxigênio puro – para manter sua própria respiração suspensa por quase 14 minutos. Num experimento similar, Edward Schneider, pioneiro da pesquisa sobre retenção da respiração na Escola Técnica de Medicina Aeronáutica do Exército, em Mitchel Field, Nova York, anteriormente instalada na Universidade Wesleyan, descreveu o caso de uma pessoa que ficou sem respirar por 15 minutos e 13 segundos sob condições semelhantes na década de 30.

No entanto, estudos e experiência diária sugerem que a maioria de nós, depois de inflar os pulmões ao máximo, não consegue manter a respiração presa por mais de um minuto em média. O dióxido de carbono (gás residual exalado pelas células à medida que consomem alimentos e oxigênio) não se acumula em níveis tóxicos no sangue suficientemente rápido para explicar esse limite.

Teoricamente, seria possível absorver oxigênio suficiente para manter a respiração presa por cerca de quatro minutos, mas poucas pessoas conseguem fazer isso por um intervalo até mesmo próximo desse limite sem treinamento.

Curiosamente, dentro d’água é possível prender a respiração por períodos bem maiores. Esse aumento da capacidade decorre, em parte, da motivação de evitar que os pulmões se encham de água. Mergulhadores que prendem a respiração sentem-se compelidos a respirar muito antes de esgotarem seu oxigênio.

 Como a respiração afeta os sentimentos 2

 

Como a respiração afeta os sentimentos3

(Por Michael J. Parkes, doutor em fisiologia, da Faculdade de Ciências dos Esportes e Exercícios da Universidade de Birmingham, na Inglaterra).

 

Fonte: Revista Mente Cérebro – Edição 296

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.