ALIMENTO DIÁRIO

MATEUS 12: 38-45

20180104_191605

Os Fariseus Pedem um Sinal

É provável que esses fariseus com quem Cristo se deparou na ocasião desse sermão não fossem os mesmos que o criticaram (v. 24), e não acreditaram nos sinais que Ele fez; mas outro grupo deles, que viram que não havia razão para desacreditá-los, mas não se contentariam com eles, nem admitiriam a sua evidência, a menos que Ele lhes desse mais provas de acordo com a exigência deles. Aqui está:

 

I – A saudação deles para com Ele (v. 38). Eles o saudaram com o título de “Mestre”, fingindo ter respeito por Ele, quando, na verdade, pretendiam maltratá-lo; pois nem todos eram servos de Cristo para chamá-lo de Mestre. A solicitação deles foi: “Quiséramos ver da tua parte algum sinal”. Era muito razoável que eles vissem um sinal, e que o Senhor Jesus pudesse, através dos milagres provar a sua missão divina (veja Êxodo 4.8-9). Ele veio para anular um modelo de religião que estava baseado em milagres, e, consequentemente, era necessário que Ele produzisse as mesmas referências; mas era extremamente irracional exigir um sinal agora, quando Ele já tinha dado tantos sinais que provavam copiosamente que Ele tinha sido enviado por Deus. Observe que é natural para o homem arrogante exigir de Deus, e fazer disso uma desculpa para não aceitá-lo; mas a ofensa de um homem nunca será a sua defesa.

 II – A resposta de Jesus para esta saudação, esta exigência insolente:

1.Ele condena a exigência, classificando-a como a linguagem de uma geração má e adúltera (v. 39). Ele impõe a acusação não somente sobre os escribas e fariseus, mas sobre toda a nação dos judeus; todos eles eram semelhantes aos seus líderes, eram uma descendência e sucessão de malfeitores. Eles, na verdade, eram uma geração má, pois não somente se obstinaram contra a convicção dos milagres de Cristo, como também se uniram para maltratá-lo e desprezar os seus milagres. Eles eram uma geração adúltera:

(1) Como uma descendência adúltera, estavam tão miseravelmente degenerados quanto à fé e a obediência de seus antepassados, que Abraão e Israel não os reconheceriam. Veja Isaias 57.3. Ou:

(2) Como uma esposa adúltera, eles se afastaram daquele Deus, com quem, por concerto, eles tinham se casado. Eles não eram culpados por se prostituírem pela idolatria, como tinham feito antes pela servidão, mas eram culpados pela infidelidade e por toda iniquidade que também é prostituição. Eles não procuraram deuses de sua própria criação, mas procuraram por sinais de sua própria invenção, e isto era adultério.

2.Jesus se recusa a dar-lhes qualquer outro sinal além dos que já havia apresentado, exceto o do profeta Jonas. Observe que embora Cristo esteja sempre pronto para ouvir e atender às orações e aos desejos verdadeiros, ainda assim Ele não satisfará luxúrias pervertidas e caprichos. Aqueles que pedem errado, pedem, mas não recebem. Os sinais foram concedidos para aqueles que os desejavam para a confirmação de sua fé, como Abraão e Gideão; mas foram negados para aqueles que os exigiam como desculpa para a sua incredulidade.

Com muita justiça, Cristo disse que Eles nunca presenciariam outro milagre; mas veja a bondade maravilhosa do Senhor:

(1) Eles terão os mesmos sinais ainda repetidos, para seu benefício adicional e para a sua convicção ainda mais ampla.

(2) Eles terão um tipo de sinal diferente de todos esses, que é a ressurreição de Cristo pelo seu próprio poder, aqui chamado de sinal do profeta Jonas – isto ainda estava reservado para a convicção deles, e seria uma grande prova de que Cristo era o Messias; por isso Ele foi declarado como o “Filho de Deus em poder” (Romanos 1.4). Este foi um sinal que superou todos os outros, completando-os e coroando-os. Se por acaso ainda não crerem nestes sinais, crerão neste (Êxodo 4.9), e se isto não os convencer, nada o fará. Mas ainda assim os judeus, em sua incredulidade, tentaram encontrar uma evasiva para evitar maiores constrangi­ mentos, quando disseram: “Vieram de noite os seus discípulos e, dormindo nós, o furtaram”; pois ninguém é tão irremediavelmente cego quanto aqueles que estão de­ terminados a não ver.

Agora, quanto ao sinal do profeta Jonas, Jesus esclarece aqui (v. 40): “Como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim estará o Filho do Homem três dias e três noites no seio da terra”. E após este período, Ele saiu dali.

[1] O sepulcro era, para Cristo, o que o ventre da baleia era para Jonas. Ali Cristo ficou, como um resgate pelas vidas prestes a serem perdidas numa tempestade; lá Jonas ficou, como no ventre do inferno (Jonas 2.2), e pareceu ser banido da visão de Deus.

[2] Ele permaneceu no sepulcro exatamente o mesmo período que Jonas permaneceu no ventre da baleia, três dias e três noites; não três dias e noites inteiros. É provável que Jonas não tenha permanecido tanto tempo no ventre da baleia, mas parte dos três dias normais. Jesus foi sepultado na tarde do sexto dia da semana, e ressuscitou na manhã do primeiro dia; esta era uma maneira de falar muito comum (veja 1 Reis 20.29; Efésios 4.16; 5.1; Lucas 2.21). O mesmo período de tempo em que Jonas foi um prisioneiro por seus pecados, Cristo foi um prisioneiro pelos nossos.

[3] Assim como Jonas se consolou no ventre da baleia com a certeza de que ainda “tornaria a ver o templo da… santidade” de Deus (Jonas 2.4), também diz-se expressamente que Cristo, quando permaneceu na sepultura, repousou em esperança, como alguém que recebe a certeza de não ver a corrupção (Atos 2.26,27).

[4] Como Jonas, no terceiro dia, foi liberado de sua prisão, e retornou à terra dos vivos novamente, vindo da congregação dos mortos (diz-se que as coisas mortas estão debaixo das águas, Jó 26.5), também Cristo, no terceiro dia, retornaria para a vida, e se levantaria do seu túmulo e difundir o Evangelho aos gentios.

3.Cristo aproveita esta ocasião para revelar o caráter e a triste condição da geração em que Ele viveu, uma geração que não poderia ser transformada, e, consequentemente, só poderia ser destruída; e mostrou-lhes o seu caráter, como Ele estaria no dia do julgamento, sob as revelações e sentenças finais daquele dia. Pessoas e coisas aparecem agora sob cores falsas; condições e caráter são passíveis de transformação aqui; portanto, se pudermos fazer uma avaliação correta, deveremos tomar nossas providências sobre o último julgamento; a verdadeira identidade das coisas e pessoas é aquilo que serão eternamente, e não aquilo que são hoje.

Aqui Cristo revela o povo judeu:

(1) Como uma geração que seria condenada pelos homens de Nínive, cujo arrependimento pela pregação de Jonas se ergueria no julgamento contra eles (v. 41). A ressurreição de Cristo será para eles o sinal do profeta Jonas – mas não terá sobre eles um efeito tão favorável, como o de Jonas teve sobre os ninivitas. Por Jonas, eles foram levados ao arrependimento que evitou a sua destruição; mas os judeus serão obstinados na descrença que deverá apressar a sua destruição; e no Dia do Juízo, o arrependimento dos ninivitas será mencionado como um agravamento do pecado, e, consequentemente, a condenação daqueles para quem Cristo pregou então, e daqueles a quem Cristo está pregando agora; por esta razão, Cristo é maior que Jonas.

[1] Jonas era apenas um homem, sujeito às mesmas paixões pecaminosas que nós; mas Cristo é o Filho de Deus.

[2] Jonas era um forasteiro em Nínive, ele veio entre os forasteiros que sofreram preconceito contra seu país; mas Cristo veio aos seus quando pregou aos judeus, e muito mais quando é pregado entre os cristãos professos, que são chamados pelo seu nome.

[3] Jonas pregou apenas um curto sermão, sem grandes solenidades, à medida que andava pelas ruas; Cristo renovou os seus chamados, sentou-se e ensinou, e ensinou nas sinagogas.

[4] Jonas pregou nada além de ira e ruína no prazo de 40 dias; não deu instruções, orientações ou incentivo para que se arrependessem; mas Cristo, além de nos avisar sobre o nosso perigo, mostrou do que devemos nos arrepender, e nos assegurou da aceitação que temos mediante o nosso arrependimento, porque é chegado o Reino dos céus.

[5] Jonas não realizou nenhum milagre para confirmar a sua doutrina, nem mostrou boa vontade para com os ninivitas; mas Cristo realizou muitos milagres, e todos eles milagres de misericórdia; ainda assim, os ninivitas se arrependeram através da pregação de Jonas, mas os judeus não foram transformados pela pregação de Cristo. Note que a bondade de alguns, que têm menos amparo e benefícios para suas almas, agravará a maldade daqueles que têm muito mais. Aqueles que no crepúsculo descobrem as coisas que pertencem à sua paz envergonharão aqueles que tateiam ao meio-dia.

(2) Como uma geração que seria condenada pela Rainha do Sul, a Rainha de Sabá (v. 42). Os ninivitas se envergonhariam deles por não se arrependerem, a Rainha de Sabá, por não crerem em Cristo. Ela veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão; embora o povo não seja persuadido a vir e ouvir a sabedoria de Cristo, mesmo assim Ele é mais do que Salomão.

[l] A Rainha de Sabá não tinha convite para vir até Salomão, ou qualquer promessa de ser bem recebida; mas nós somos convidados por Cristo para nos sentarmos aos seus pés e ouvirmos suas palavras.

[2] Salomão era apenas um homem sábio, mas Cristo é sabedoria em si, “em quem estão escondidos todos os tesouros da sabedoria”.

[3] A Rainha de Sabá teve muitas dificuldades para chegar até Salomão: ela era uma mulher, inapta para fazer uma viagem longa e perigosa; era uma rainha, e o que seria do seu país na sua ausência? Nós não temos tais preocupações que nos impeçam.

[4] Ela não podia ter certeza de que valeria a pena ir tão longe nessa missão; a fama costuma adular os seres humanos, e talvez ela tivesse em seu país ou corte homens suficientemente sábios para instruí-la; ainda assim, tendo ouvido falar sobre a fama de Salomão, foi vê-lo; mas nós não vamos até Cristo com tais incertezas.

[5] Ela veio dos confins da terra, mas nós temos Cristo entre nós, e a sua palavra próxima de nós: “Eis que estou à porta e bato”.

[6] Aparentemente, a sabedoria pela qual a Rainha de Sabá veio de tão longe era somente filosofia e política; mas a sabedoria que se deve ter em Cristo é a sabedoria para a salvação.

[7] Ela só poderia ouvir a sabedoria de Salomão; ele não poderia dar sabedoria a ela; mas Cristo dá sabedoria para aqueles que vêm até Ele; mais ainda, Ele mesmo será a sabedoria de Deus para eles; de maneira que, com todos estes relatos, se nós não ouvirmos a sabedoria de Cristo, a audácia da Rainha de Sabá em vir e ouvir a sabedoria de Salomão se erguerá em julgamento contra nós e nos condenará; porque Jesus Cristo é mais e maior que Salomão.

(3) Como uma geração que resolveu continuar no domínio, e sob o poder, de Satanás, apesar de todos os métodos que foram usados para expulsá-lo e salvá-los. Eles são comparados a alguém de quem o diabo se foi, mas retorna com força multiplicada (vv. 43-45). O demônio é chamado aqui de espírito imundo, porque perdeu toda a sua pureza e promove todas as formas de impureza entre os homens, e se deleita com elas. Aqui:

[l] A parábola representa a possessão que o demônio faz dos corpos dos homens – Cristo havia recentemente expulsado um demônio, porém eles disseram que Ele tinha um demônio; isto mostrou o quanto eles estavam sob o poder de Satanás. Esta é mais uma prova de que Cristo não expulsou os demônios por ter um acordo com o diabo, porque se fosse assim, ele teria logo retornado; mas a expulsão dele por Cristo foi final, e de tal modo que barrava uma reentrada; nós o encontramos ordenando ao espírito imundo que saísse, e não entrasse novamente (Marcos 9.25). Provavelmente, algumas vezes, o demônio estava acostumado a zombar dessa maneira daqueles que eram possuídos; ele saía e retornava com mais fúria; por isso os intervalos lúcidos daqueles que estavam nessas condições eram comumente seguidos dos mais violentos ataques. Quando o demônio sai, ele fica inquieto, porque, como os ímpios, não repousa se não fizer mal (Provérbio 4.16); anda por lugares áridos, como alguém que está muito melancólico; busca repouso, e não o encontra, até retornar novamente. Quando Cristo baniu a legião de demônios do homem, eles imploraram para sair e entrar em uma manada de porcos, e já não foram para lugares áridos, mas para dentro do lago.

[2] A aplicação da parábola serve para representar o caso do corpo da religião judaica e a nação: ”Assim acontecerá também a esta geração má”, que agora resiste e finalmente rejeitará o evangelho de Cristo. O demônio, que, pelo trabalho de Cristo e dos seus discípulos, foi expulso de muitos judeus, procurou abrigar-se entre os pagãos, tendo saído daquelas pessoas e templos de onde os cristãos o expulsariam. Conforme o Dr. Whitby, pode ser que eles não tenham encontrando outro lugar, no mundo pagão, onde sentissem tal prazer, habitações agradáveis, para a sua satisfação, como aqui no coração dos judeus. Conforme o Dr. Hammond, Satanás deverá, portanto, entrar novamente neles, pois Cristo não encontrou acesso entre eles, e eles, por sua prodigiosa maldade e descrença obstinada, não estavam, de forma alguma, prontos para recebê-lo. E então sofreriam aqui uma possessão duradoura, e a condição desse povo provavelmente seria mais desesperadamente deplorável (conforme o Dr. Hammond) do que era antes que Cristo viesse a eles, ou mais do que teria sido se Satanás nunca tivesse sido expulso.

A comunidade dessa nação está aqui representada. Em primeiro lugar, como um povo apóstata. Depois do cativeiro na Babilônia, eles começaram a transformação, abandonaram os seus ídolos e apareceram com algum tipo de religião; mas logo se corromperam novamente; embora nunca tivessem reincidido na idolatria, caíram em todas as formas de irreligiosidade e profanação, pioraram cada vez mais, e adicionaram a todo o resto de sua maldade um desprezo intencional para com Cristo e o seu Evangelho. Em segundo lugar, como um povo marcado pela destruição. Uma nova comissão estava sendo enviada contra esta nação hipócrita, o povo da ira de Deus (como em Isaias 10.6), e sua destruição pelos romanos seria provavelmente maior do que qualquer outra, como os seus pecados tinham sido mais evidentes: foi então que “a ira de Deus caiu sobre eles até ao fim” (1 Tessalonicenses 2.15,16). Que isto seja um aviso para todas as nações e igrejas, para que prestem atenção e não abandonem o seu primeiro amor, não deixem que se perca a excelente obra de transformação que começou entre eles, retornando para a maldade que pareciam ter abandonado; pois a última condição dessas pessoas será pior do que a primeira.

Anúncios

GESTÃO E CARREIRA

APOSENTE OS CARRINHOS

Conheça a recém-chegada Home Refill, que quer revolucionar o mercado de consumo básico com uma maneira consciente de comprar pela internet.

Aposente os carrinhos

Frequentar supermercados periodicamente para repor itens básicos de consumo, além de absorver o tempo das pessoas, não é uma das tarefas mais agradáveis. Foi ao observar essas questões que o empresário e especialista em Tecnologia da Informação Guilherme Aere dos Santos teve a ideia de criar uma maneira prática e econômica de fazer a compra do mês, ou da quinzena, sem precisar se deslocar. Ele e um grupo de empresários desenvolveram uma solução on-line que permite ao consumidor repor produtos que compõem a cesta básica, como itens de higiene e alimentos não perecíveis (arroz e feijão).

Esse sistema é oferecido por aplicativo ou acessado pelo site e disponibiliza, além de um portfólio de artefatos, uma forma mais inteligente de fazer a reposição dos produtos. Quem opta por essa facilidade tem disponível uma lista personalizada de acordo com seu perfil de consumo. Ao todo, são dois mil produtos. A partir de pesquisas, a Home Refill criou dez tipos: solteiro, solteira, casal, gestante, lar com crianças, lar com adolescentes, lar com filhos adultos, lar com idosos, republica e pequenos escritórios. A solteira, por exemplo, que decide utilizar esse e-commerce encontrará uma lista com sugestões compatíveis com sua realidade e na quantidade exata para o carrinho. As entregas são feitas em até oito dias e o frete é gratuito.

Como se trata de um modelo repetitivo de compra, o cliente pode programá-la para recebimento de 15 em 15 dias ou a cada 30 dias. Feita a primeira compra, o aplicativo começa a monitorar o consumo daqueles produtos, enviando lembretes a respeito da necessidade da próxima compra.

 PROPOSTA

O site também mostra a economia que estão obtendo com a aquisição de cada um dos itens, fazendo a comparação com o preço médio dos principais supermercados. ”Mais do que urna opção on-line, a Home Refill é uma excelente experiência, porque auxilia na administração. O consumidor passa a comprar de maneira programada, “comenta o sócio proprietário e atual CEO da empresa, Guilherme dos Santos.

Em operação desde outubro de 2015, a empresa recebeu investimento com recursos próprios de R$10 milhões, absorvidos em tecnologia e logística e já possui carteira com seis mil clientes fixos. Para que seja um modelo de negócio realmente interessante e possa oferecer benefícios reais aos usuários, além do aplicativo, a Home Refill possui também um grande galpão principal de armazenamento – que funciona como um centro de distribuição -, 22 pequenos estabelecimentos que são pontos de transição para a mercadoria e uma frota de caminhões próprios para a entrega.

Com a proposta de entregar mais tempo aos consumidores que, ao usarem a ferramenta, não precisarão mais frequentar supermercados para fazer reposição de itens básicos, a empresa também tem um preço baixo como um atrativo bastante forte que pode ser explicado pelo ponto de vista logístico. “Um dos nossos sócios também é dono de uma operadora logística, ”explica Santos.

A empresa possui também mais de 200 parceiros com quem compra os produtos. Seguindo o conceito inteligente de logística, não armazena no galpão um estoque. mas itens das listas pré­montadas que disponibiliza no site e no aplicativo.

Por enquanto, o serviço é oferecido apenas para a capital paulista e grande São Paulo, mas o empresário já adiantou que para 2018 haverá a expansão para mais dois estados.

GERAÇÃO DE VALOR

Ao ser questionado sobre qual é a previsão para retorno do investimento, Guilherme dos Santos diz que esta ainda não é a preocupação da empresa. O que eles querem a princípio é que o aplicativo agregue valor na vida das pessoas que o utilizam. Sendo assim, poupando tempo e auxiliando na administração. “‘Estamos contribuindo para a construção de uma sociedade mais sustentável, para que as pessoas consumam o que realmente precisam e com a real necessidade, evitando o desperdício”, explica. E vai além: ”vamos ajudar as pessoas a pararem de acreditar em milagre promocional e começarem a questionar mais o porquê das promoções”, explica.

Ainda na questão sustentabilidade, a Home Refill ajuda o consumidor a reduzir emissão de CO sempre que deixa de ir ao supermercado. Foi com esse mote, inclusive, que a empresa deu início no fim de 2016 à sua campanha oficial de lançamento. Em parceria com o artista paulistano Eduardo Srur – reconhecido por intervenções urbanas -, a ação “Encoste o Carrinho” teve como objetivo transmitir a mensagem de que é preciso refletir sobre seus níveis de consumo de desperdício.

A partir daí, o artista desenvolveu o conceito artístico da ação: carrinhos de supermercados gigantes destruídos que foram espalhados em diversos pontos da cidade de São Paulo. Era como se estivessem convidando as pessoas a repensarem a forma de fazer compras, destacando as promoções enganosas e dificuldades que as pessoas passam para irem até o supermercado: como o trânsito, filas e inconveniência das sacolas.

Para realizar a campanha, foi feito um estudo de percepção da marca e como os consumidores entendem e se relacionam com seu serviço. Houve também a investigação dos principais pontos da experiência proporcionada pelos supermercados. O levantamento gerou ideias que guiaram o marketing da Home Refill na criação dos pilares da campanha, posicionando a empresa como uma plataforma de consumo consciente que promove sustentabilidade, evita desperdícios e entrega tempo livre para que as pessoas se dediquem a atividades prazerosas. O objetivo da empresa com essa ação foi reforçar o cará ter inovador do serviço e dar ênfase para o conceito de sustentabilidade.

DIGITAL

Além dessa iniciativa criativa, a empresa também desenvolveu um desdobramento da campanha em peças de rua e digital No Facebook, a fanpage da Home Refill faz campanhas constantes mostrando os vários motivos pelos quais os consumidores devem abandonar os supermercados para realizar compra de itens básicos. Em um dos posts mais recentes, a empresa pergunta aos seguidores se eles acham difícil planejar a compra no site para o mês inteiro. Com depoimento em vídeo de uma consumidora que usa o aplicativo, a empresa mostra que, com a ferramenta é possível logo nas primeiras experiências aprender qual é exatamente a quantidade necessária de cada produto.

Há outros depoimentos, como o da apresentadora Ana Maria Braga. Ela recomenda o uso do aplicativo para facilitar a vida das pessoas e anuncia R$50,00 de desconto para as compras a partir de R$ 1SO,OO. Para cativar seus consumidores e quebrar paradigmas em relação ao modelo atual de consumo, a empresa postou também mensagens como: “Conheci o grande amor da minha vida enquanto alcançava o sabão em pó”, assinado Ninguém. No enunciado, há o seguinte comentário: “Isso só acontece em novela, na vida real você pode fazer compras e paquerar com o celular”. Ainda na fanpage, a Home Refill recebe apoio de marcas como a Unilever. Em um dos posts, aparece uma foto do sabão em pó OMO incentivando a mudança de hábitos do consumidor.

Aposente os carrinhos.2jpg

HOME REFILL EM NÚMEROS

  • Investimento: R$ 10 milhões (capital próprio)
  • Mais de 200 parceiros, o que permite negociação com preços mais favoráveis
  • 1 galpão de distribuição e 22 pontos de distribuição.
  • Clientes: 6 mil até o momento

VANTAGENS PARA O CONSUMIDOR

  • Auxilia na administração e na programação da compra
  • Poupa tempo
  • Oferece economia em torno de 20% a 30%(dependendo do produto)
  • Estimula consumo consciente
  • Promove sustentabilidade
  • Evita que o cliente caia em promoções falsas
  • Frete grátis
  • O consumidor consegue verificar no site ou pelo aplicativo quanto estão economizando com cada produto, em relação aos preços de supermercados e varejistas

COMO USAR

  • Baixe o aplicativo ou navegue pelo site
  • Selecione uma das listas personalizadas que se enquadrem às suas necessidades ou selecione os produtos que deseja. Selecione a    data de entrega (no mínimo 8 dias)
  • Receba em casa com frete grátis.

 

COMO FUNCIONAM OS PREÇOS

A Home Refill consegue oferecer economia pelos seguintes motivos:

  • A empresa compra direto dos fabricantes de acordo com o pedido, eliminando estoque e A cada semana, um parceiro de tecnologia monitora os preços das lojas físicas dos principais varejistas da grande São Paulo.
  • O consumidor deixa de gastar para se locomover.
  • Como um dos sócios é operador logístico, a empresa consegue oferecer o frete gratuito.

PSICOLOGIA ANALÍTICA

O CHEIRO DA PERCEPÇÃO

A ação conjunta dos neurônios faz o cérebro transformar, quase que instantaneamente, as mensagens sensoriais em impressões conscientes.

O cheiro da percepção

Quando vemos o rosto de um ator conhecido, ouvimos a voz de um amigo ou sentimos o aroma de um prato apetitoso, mento é instantâneo. Uma fração de segundo depois que os olhos, os ouvidos, o nariz, a língua ou a pele são estimulados, sabemos estar diante de um objeto conhecido, se ele representa perigo ou não. Como esse reconhecimento se dá de maneira tão rápida e precisa mesmo quando os estímulos são complexos e o contexto do qual emergem varia?

Sabemos que o córtex cerebral (a cama- da externa do cérebro) analisa inicialmente as mensagens sensoriais, mas apenas começamos a entrever de que maneira o cérebro se comporta após o puro e simples reconhecimento das características da mensagem (isto é, como combina as percepções sensoriais com a experiência vivida e as expectativas para identificar tanto o estímulo como seu significado particular).

Os estudos realizados durante décadas por meu grupo na Universidade da Califórnia em Berkeley permitem afirmar que a percepção não pode ser compreendida examinando-se apenas as propriedades individuais de cada neurônio, segundo uma abordagem microscópica da pesquisa que hoje tende a dominar a neurociência. Constatamos que a percepção depende da atividade simultânea e cooperativa de milhões de neurônios espalhados em todas as circunvoluções do córtex. Essa atividade global pode ser identificada, medida e interpretada somente se, além da visão microscópica do cérebro, trabalharmos no nível macroscópico. No campo da música, existe uma analogia com esse tipo de abordagem. Para apreciar a beleza de um coral, não basta escutar as vozes individuais dos cantores: deve-se escutá-los em conjunto, já que as diversas partes se relacionam entre si.

Nossos estudos nos permitiram descobrir também uma atividade cerebral caótica, um comportamento complexo que parece casual, mas que na realidade possui uma ordem oculta. Essa atividade é evidente na tendência que amplos grupos de neurônios têm de passar brusca e simultaneamente de um quadro complexo de atividade a outro, em resposta ao menor dos estímulos. Tal capacidade é característica primária de muitos sistemas caóticos. Ela não danifica o cérebro: acreditamos, ao contrário, que seria essa justamente a chave da percepção. Avançamos também a hipótese de que ela seja a base da capacidade do cérebro de responder de maneira flexível às solicitações do mundo externo e de gerar novos tipos de atividade – incluída a concepção de novas ideias.

PELO NARIZ

Para compreender os mecanismos da percepção, é necessário conhecer as propriedades dos neurônios envolvidos nesse pro- cesso. Meus colaboradores e eu nos concentramos no estudo dos neurônios do sistema olfativo. Há tempos sabemos que, quando um animal ou um ser humano sente o cheiro de uma substância, as moléculas desta são captadas por alguns neurônios específicos misturados aos numerosos receptores presentes nas vias nasais. Esses receptores são especializados em reagir a uma dada categoria de odores. Os neurônios excitados desencadeiam potenciais de ação, isto é, impulsos que se propagam ao longo de seus prolongamentos, os axônios, até uma área específica do córtex, o bulbo olfativo. O número de receptores ativados representa um índice da intensidade do estímulo, enquanto sua localização nas fossas nasais é associada à natureza do odor. Em resumo, cada cheiro se expressa mediante uma configuração espacial da atividade dos receptores, que, por sua vez, é transmitida ao bulbo. O bulbo olfativo é que transmite ao córtex olfativo a análise de cada estímulo. Daí, novos sinais são enviados a muitas partes do cérebro, entre as quais o córtex entorrinal, onde os sinais se combinam com os de outros sistemas sensoriais.

O resultado é uma Gestalt, uma percepção carregada de significado, única para cada indivíduo. Para um cão, reconhecer o cheiro de uma raposa pode evocar o alimento e a espera de uma refeição. Em um coelho, o mesmo cheiro desperta lembranças de fuga e o medo de ser agredido.

Todas essas noções forneceram um ponto de partida válido para uma análise mais detalhada do olfato, mas não resolvem duas questões importantes. A primeira é o clássico problema de conseguir distinguir de que maneira o cérebro diferencia um cheiro particular no meio de todos os outros que o acompanham.

Além disso, como o cérebro consegue generalizar e tratar uma informação equivalente que provém de receptores diferentes? Devido à turbulência existente nas correntes de ar que atravessam as fossas nasais, somente alguns entre os numerosos receptores sensíveis a determinado odor são excitados durante uma inspiração, e essa situação varia imprevisivelmente entre uma inspiração e outra. Como faz o cérebro para estabelecer que sinais provenientes de diversos grupos de receptores se referem todos ao mesmo estímulo? Nossas pesquisas começam a oferecer respostas para ambos os problemas.

Os experimentos demonstram claramente que todos os neurônios contribuem para a geração de cada percepção olfativa. Em outros termos, a informação sobre o estímulo é contida em uma configuração de neurônios ativados que interessa a todo o bulbo e não apenas a um pequeno subconjunto de neurônios que podem identificar as características do estímulo e excitar-se exclusivamente, por exemplo, quando expostos a odores como o da raposa.

Além disso, essa atividade coletiva dos neurônios, apesar de refletir a natureza do odor, não é determinada somente pelo estímulo. A função do bulbo se auto organiza e é bem controlada por fatores internos, entre os quais a sensibilidade dos neurônios ao estímulo.

Atualmente podemos entrever a dinâmica geral da percepção. O cérebro procura a in- formação, principalmente orientando o indivíduo a olhar, escutar e cheirar. Esse processo é produto de uma atividade que se organiza autonomamente e se realiza no sistema límbico (a parte do cérebro que inclui o córtex entorrinal, envolvida nos estados emocionais e na formação da memória), que transmite uma ordem de busca aos sistemas motores. Quando a ordem é transmitida, o sistema límbico emite a chamada mensagem de referência, que coloca em estado de alerta todos os sistemas sensoriais para que se preparem para responder à nova informação.

Efetivamente, eles respondem à descarga de impulsos com cada neurônio de uma dada área que participa da atividade coletiva. A atividade sincrônica em cada sistema é, portanto, retransmitida ao sistema límbico, onde se combina com sinais provenientes de outros sistemas sensoriais, analogamente gerados, para formar um todo rico de significado. Depois, em uma fração de segundo, pede-se outra busca de informação e os sistemas sensoriais são novamente preparados por outros estímulos aferentes.

A consciência poderia ser a experiência subjetiva desse processo recorrente de comando motor, referência e percepção. Se assim é, permite que o cérebro planeje cada ação sucessiva e se prepare para ela com base em ações passadas, estímulos sensoriais e sínteses perceptivas. Em resumo, o ato da percepção não é simplesmente a reprodução de um estímulo que está chegando, mas um passo no caminho que o cérebro percorre para crescer, organizar-se e tomar contato com o ambiente, que depois modifica em seu benefício.

O poeta William Blake escreveu: “Se as portas da percepção fossem eliminadas, cada coisa se apresentaria ao homem como efetivamente é: infinita”. Uma eliminação desse tipo não é desejável. Sem a proteção das portas da percepção, isto é, sem a atividade caótica autocontrolada do córtex do qual nas- cem as percepções, os seres humanos e os animais seriam dominados pelo infinito.

REDE DE SINAPSES

Os neurônios do sistema olfativo trocam informações através de uma rica rede de sinapses, isto é, junções   nas quais os sinais fluem de um neurônio para o outro.

De maneira geral, os sinais passam de prolongamentos chamados axônios para projeções denominadas dendritos; mas, às vezes, passam de dendrito a dendrito ou de axônio a axônio. Essa ampla troca de informações conduz a uma atividade coletiva. No desenho, bastante esquematizado, o vermelho indica que um neurônio está excitando outra célula e o preto, que o neurônio está inibindo a outra.

O cheiro da percepção2 

DENTRO DO CÉREBRO

As ondas do eletroencefalograma refletem a excitação média de grupos de neurônios. Estímulos excitatórios no nível das sinapses geram correntes elétricas que fluem em círculos fechados no interior do neurônio receptor em direção ao axônio, atravessam a membrana celular, atingem o espaço extracelular e retornam para a sinapse (setas em amarelo). Os estímulos inibitórios criam correntes que se propagam na direção oposta (setas em azul). No interior dos neurônios, a zona de disparo soma a intensidade das correntes (refletida nas diferenças de voltagem através da membrana) e disparará um potencial de ação se a soma for suficientemente positiva.

Os eletrodos aplicados ao cérebro registram essas mesmas correntes no espaço extracelular. As neuroimagens resultantes indicam a excitação de grupos inteiros de neurônios, não de células individuais, pois as áreas extracelulares nas quais são registrados contêm correntes provenientes de milhares de neurônios.

O cheiro da percepção3

WALTER J. FREEMAN – é doutor em neurobiologia, professor da Universidade da Califórnia em Berkeley.