ALIMENTO DIÁRIO

MATEUS 12: 14-21

20180104_191613

A Blasfêmia dos Fariseus. Cristo se retira

Como em meio às maiores humilhações de Cristo havia provas da sua dignidade, também em meio às suas maiores honras Ele deu provas de sua humildade; e quando os milagres que Ele realizava lhe davam a oportunidade de ficar famoso, ainda assim Ele se esvaziava, e não cultivava qualquer resquício de fama popular. Aqui, temos:

 I – A maldita blasfêmia dos fariseus contra Cristo (v. 14). Irritados com a evidência convincente dos milagres de Jesus, eles saíram e realizaram uma reunião contra Ele, sobre como poderiam destrui-lo. O que os irritou não foi apenas o fato de que, pelos milagres realizados, sua honra eclipsava a deles, mas também o fato de a doutrina que Ele pregava estar em oposição direta com o orgulho, hipocrisia e interesses mundanos deles. Eles fingiram estar descontentes com a sua infração do sábado, que era, por lei, um crime sujeito à pena de morte (Êxodo 35.2). Não é novidade ver os atos mais vis ocultos pelos pretextos mais plausíveis. Observe a política deles: eles se reuniram num conselho, considerando entre si de que maneira poderiam prendê-lo, com eficácia. Eles se aconselharam, numa trama secreta a esse respeito, para que pudessem ao mesmo tempo animar e ajudar uns aos outros. Observe a crueldade deles: Eles se reuniram, não para prendê-lo ou expulsá-lo, mas para destrui-lo, para levar à morte aquele que veio para que pudéssemos ter a vida. Que indignidade era, dessa maneira, imposta ao nosso Senhor Jesus, a perseguição dele como a um malfeitor, e o tormento imposto àquele que era a maior bênção, a glória do seu povo Israel!

II – Cristo se retirou nessa ocasião, e escolheu a privacidade para evitar o confronto. Pelo fato de não ser chegada a sua hora (v. 15), Ele se retirou dali. Ele poderia ter se protegido de forma milagrosa, mas decidiu fazê-lo da maneira normal, por meio da retirada e do afastamento; porque nisso, como em outras coisas, Ele se sujeitava às fraquezas inerentes da nossa natureza. Nesse ponto, Ele se humilhou, pois foi levado à atitude comum daqueles que são mais desamparados; assim também Ele deu um exemplo da sua própria regra: “Quando, pois, vos perseguirem nesta cidade, fugi para outra”. Cristo tinha dito e feito o suficiente para convencer esses fariseus (se a razão ou os milagres pudessem ter feito isso), mas em vez de se renderem à convicção, eles se enfureceram, e por isto Ele os deixou, considerando-os incuráveis (Jeremias 51.9).

Cristo não se retirou para a sua própria comodidade, nem procurou uma desculpa para deixar o seu trabalho. Não. Os seus períodos de retiro sempre estavam cheios de ocupação, e mesmo nessas ocasiões Ele estava fazendo o bem, quando era forçado a se afastar. Assim, Ele deu um exemplo aos seus ministros: eles devem fazer o que puderem, quando não puderem fazer o que gostariam de fazer, e continuar ensinando mesmo quando precisarem se afastar. Quando os fariseus, os grandes senhores e doutores da nação, afastaram Cristo de si mesmos, e o forçaram a retirar-se, as pessoas comuns o seguiram em grandes multidões, e o encontraram. Alguns transformariam este fato em uma censura a Cristo, e diriam que Ele estava incitando a multidão. Mas era realmente uma honra para Jesus que todos aqueles que não eram parciais ou preconceituosos, e não estavam cegos pelas coisas do mundo, fossem tão leais, tão zelosos por Ele, e o seguissem para onde quer que Ele fosse, sem importar os perigos que correriam ao seu lado; como também era uma honra para a sua graça que os pobres fossem evangelizados – quando eles o recebiam, Ele os recebia e curava a todos. Cristo veio ao mundo para ser uma espécie de médico-geral dos homens – como o sol para o mundo inferior-, trazendo curas consigo. Embora os fariseus perseguissem a Cristo por fazer o bem, ainda assim Ele o continuava fazendo, e não deixou as pessoas passando dificuldades por causa da maldade dos seus líderes. Embora alguns nos tratem sem piedade, não devemos, por causa disso, tratar os outros sem piedade.

Cristo tentou conciliar o proveito e a privacidade. Ele os curou a todos, e (v. 16) recomendou-lhes que não deveriam torná-lo conhecido, o que pode ser considerado como:

1.Um ato de prudência: não eram os milagres propriamente ditos, mas sim as conversas a respeito deles, que enfureciam os fariseus (vv. 23,24); dessa forma, Cristo, embora não deixasse de fazer o bem, o faria da maneira mais silenciosa quanto possível, para evitar ofendê-los e para evitar correr perigo. Os homens prudentes e bons, embora desejem fazer o bem, estão longe de desejar que o bem feito seja alvo de comentários; porque é a aceitação de Deus, e não o aplauso dos homens, que eles almejam. E em épocas de sofrimento, embora devamos corajosamente prosseguir no caminho do dever, ainda assim devemos procurar as circunstâncias adequadas, de forma a não exasperar, além do necessário, aqueles que procuram uma oportunidade contra nós: “Sede prudentes como as serpentes” (cap. 10.16).

1.Um ato de julgamento justo sobre os fariseus, que eram indignos de ouvir a respeito de qualquer dos seus milagres, tendo menosprezado aqueles que os tinham visto. Ao fecharem os seus olhos para a luz, eles tinham perdido o direito ao seu benefício.

2.Um ato de humildade e autonegação. Embora a intenção de Cristo, nos seus milagres, fosse provar que Ele era o Messias, levando dessa forma os homens a crerem nele (e para isso era necessário que os seus milagres fossem conhecidos), algumas vezes Ele recomendava que o povo os ocultasse, para nos dar um exemplo de humildade e nos ensinar a não proclamar a nossa própria bondade ou utilidade, ou desejar que elas fossem proclamadas. Cristo queria que os seus discípulos fossem o oposto daqueles que realizavam todas as suas obras para que os homens as vissem.

III – O cumprimento das Escrituras em tudo isso (v. 17). Cristo retirou-se à privacidade e à obscuridade, para que, embora Ele fosse eclipsado, a palavra de Deus pudesse cumprir-se, sendo dessa forma exemplificada e glorificada, pois esse era o objetivo do seu coração. A passagem das Escrituras aqui cumprida é Isaías 42.1-4, que é citada livremente (vv.18-21). O escopo tem o objetivo de mostrar o quão manso e tranquilo, e ainda assim bem-sucedido, o nosso Senhor Jesus foi na sua missão – temos exemplos disso nas passagens anteriores. Observe aqui:

1.O prazer do Pai em Cristo (v.18): “Eis aqui o meu servo que escolhi, o meu amado, em quem a minha alma se compraz”. Consequentemente, podemos perceber:

(1). Que o nosso Salvador era servo de Deus na grande obra da nossa redenção. Neste sentido, Ele se submete à vontade do Pai (Hebreus 10.7) e se dispõe a servir aos desígnios da sua graça e aos interesses da sua glória, para consertar as brechas que foram criadas pela apostasia do homem. Como servo, Ele tinha uma grande obra para fazer, e uma grande confiança depositada nele. Isto fazia parte da sua humilhação, pois embora Ele não julgasse que fosse alguma forma de usurpação o fato de ser igual a Deus, ainda assim, na obra da nossa salvação, Ele assumiu a forma de servo, recebeu um mandamento e veio com uma obrigação. Ainda que era Filho, aprendeu a obediência (Hebreus 5.8). O lema desse Príncipe era: – Eu sirvo.

(2). Que Jesus Cristo era o escolhido de Deus, como a única pessoa adequada e apropriada para cuidar da grande obra da nossa redenção. “Eis o meu servo, que escolhi”, – que está à altura da missão. Ninguém, exceto Ele, era capaz de realizar a obra da Redenção, ou era digno de usar a coroa do Redentor. Ele foi eleito do povo (Salmos 89.19), escolhido, pela infinita Sabedoria, para este cargo de serviço e honra, para o qual nenhum homem ou anjo se qualificava; ninguém, exceto Cristo, para que Ele possa, em todas as coisas, ter a proeminência. Cristo não se candidatou para essa missão, mas foi devidamente escolhido para ela. Cristo foi o escolhido de Deus para ser o cabeça da eleição, e de todos os outros eleitos, pois nós somos eleitos nele (Efésios 1.4).

(3). Que Jesus Cristo é o Filho amado de Deus; como Deus, Ele está no seu seio desde a eternidade (João 1.18). Ele era, cada dia, as suas delícias (Provérbios 8.30). Entre o Pai e o Filho já havia, antes de todos os tempos, uma relação eterna e inimaginável, e uma troca de amor, e assim o Senhor o possuiu no princípio dos seus caminhos (Provérbios 8.22). Como Mediador, o Pai o amou; quando o Pai precisou realizar um plano em que Ele seria ferido, Ele se sujeitou a isto; por isso o Pai o ama (João 10.17).

(4) Que Jesus Cristo é aquele de quem o Pai se agra­ da, em quem a sua alma se compraz; o que dá a entender a maior complacência imaginável. Deus declarou, com uma voz do céu, que Ele era o seu Filho amado, em quem se comprazia. Se comprazia nele, porque Ele era o Empreendedor, disposto e alegre, daquela obra de maravilhas à qual Deus se dedicou tanto, e Ele se compraz conosco nele; pois Ele nos fez agradáveis a si no Amado (Efésios 1.6). Todo o interesse que o homem pecador tem, ou pode ter, em Deus, está baseado, e se deve ao fato de que Deus se compraz em Jesus Cristo; pois não se vai ao Pai, senão por Ele (João 14.6).

2.A promessa do Pai a Jesus consiste em duas coisas:

(1). Que Ele seria muito bem qualificado para a sua missão: “Porei sobre ele o meu Espírito, o Espírito de sabedoria e de conselho” (Isaias 11.2,3). Deus se certificará de adequar e qualificar aqueles a quem Ele convoca para algum serviço; e assim parecerá que Ele os chamou para isso, como Moisés (Êxodo 4.12). Cristo, como Deus, tinha poder e glória igual ao Pai; como Mediador, Ele recebia do Pai poder e glória, e recebia para poder dar; e tudo o que Pai dava a Ele, para qualificá-lo para a sua missão, resumia se nisto: Ele colocou o seu Espírito sobre Ele – este é o “óleo de alegria com que Ele foi ungido, mais do que seus companheiros” (Hebreus 1.9). Ele recebeu o Espírito, não por medida, mas sem medida (João 3.34). Independentemente de quem sejam aqueles que Deus escolhe, e em quem Ele se compraz, Ele se certificará de colocar o seu Espírito sobre eles. Além de conceder o seu amor (algo que Ele faz de muitas formas), Ele concede que tenham em si mesmos a sua semelhança.

(2). Que Ele seria extremamente bem-sucedido no seu entendimento. Aqueles a quem Deus envia, certamente Ele torna seus. Já tinha sido assegurado havia muito tempo, por promessa ao nosso Senhor Jesus, que o bom prazer do Senhor prosperaria na sua mão (Isaias 53.10). E aqui temos uma explicação desse bom prazer.

[1] Ele anunciará aos gentios o juízo. Cristo, pessoalmente, pregou àqueles que eram vizinhos das nações pagãs (veja Marcos 3.6-8), e pelos seus apóstolos apresentou o seu Evangelho, aqui chamado de juízo, ao mundo gentio. O caminho e o método da salvação, o juízo que é confiado ao Filho, não é somente realizado por Ele, como o nosso grande Sumo Sacerdote, mas anunciado e transmitido por Ele, como o nosso grande Profeta. O Evangelho, sendo uma regra de comportamento e conduta, com a tendência direta de transformar e melhorar os corações e as vidas dos homens, será anunciado aos gentios. O juízo de Deus tinha sido particular aos judeus (SaImos 147.19), mas sempre foi predito, pelos profetas do Antigo Testamento, que ele seria anunciado aos gentios, e, portanto, isso não deveria ter causado tal surpresa, e muito menos aborrecimento, para os judeus incrédulos.

[2] “E, no seu nome, os gentios esperarão” (v. 21). Ele irá anunciar juízo aos gentios, para que eles prestem atenção e observem o que Ele lhes apresenta, e através disso sejam influenciados a confiar nele, sujeitando-se ao seu juízo. Note que o grande desígnio do Evangelho é levar as pessoas a confiar no nome de Jesus Cristo, no Jesus Salvador, este nome precioso pelo qual Ele é chamado, e que é como unção derramada: “O Senhor, Justiça nossa.” Aqui, o evangelista segue a Septuaginta, ou talvez as últimas edições da Septuaginta sigam o evangelista; o texto em hebraico (Isaias 42.4) é: “e as ilhas aguardarão a sua doutrina”. Fala-se das ilhas dos gentios (Genesis 10.5) como sendo habitadas pelos filhos de Jafé, de quem foi dito (Genesis 9.27): “Alargue Deus a Jafé, e habite nas tendas de Sem”; o que agora se cumpria, quando as ilhas (segundo o profeta), os gentios (diz o evangelista), aguardarão a sua doutrina, e confiarão no seu nome – compare essas duas passagens e observe que aqueles, e somente aqueles, que esperam pela sua lei com a determinação de serem governados por ela, podem, com segurança, confiar no nome de Cristo. Observe, além disso, que a lei pela qual esperamos é a lei da fé, a lei de confiar no seu nome. Este é agora o seu grande mandamento, que creiamos em Jesus Cristo (1 João 3.23).

3.A predição que diz respeito a Ele, e a maneira mansa e tranquila como Ele conduz a sua missão (vv. 19, 20). Esta citação está fortemente ligada à privacidade de Cristo, às ocasiões em que Ele precisou se retirar de alguns ambientes.

(1) Que Ele devia conduzir a sua missão sem estardalhaço ou ostentação. “Não contenderá, nem clamará”. Cristo e o seu reino não virão com aparência exterior (Lucas 17.20,21). Quando o Primogênito foi trazido a este mundo, não foi com cerimônia. Ele não fez uma aparição pública, não teve arautos que o proclamassem rei. Ele estava no mundo e o mundo não o conheceu. Estavam enganados aqueles que se alimentavam com esperanças de um Salvador cheio de pompa. A sua voz não era ouvida nas ruas: “Ei-lo aqui”, ou: “Ei-lo ali”. Ele falava com uma voz suave que atraía a todos, mas não atemorizava ninguém. Ele não fazia ruído, mas surgia silenciosamente como o orvalho. Quando Ele falava, e agia, era com a maior humildade e autonegação possíveis. O seu reino era espiritual e por isso não progrediria pela força ou violência, nem por elevadas pretensões. Não, “o reino de Deus consiste não em palavra, mas em poder” (1 Coríntios 4.20, versão RA).

(2) Que Ele devia conduzir a sua missão sem severidade ou rigor (v. 20). “Não esmagará a cana quebrada”. Alguns interpretam isto como a sua paciência com os pecadores. Ele poderia facilmente ter esmagado estes fariseus como canas quebradas, e tê-los apagado como um marrão que fumega; mas Ele não o fará até o dia do juízo, quando todos os seus inimigos serão feitos escabelo dos seus pés. Outros preferem interpretar como sendo o seu poder e a sua graça para sustentar os fracos. Em geral, o desígnio do seu Evangelho é estabelecer um método de salvação que incentive a sinceridade, embora haja muita indecisão. Ele não insiste em uma obediência absolutamente perfeita de imediato, mas aceita uma mente disposta e justa. Quanto a indivíduos em particular que seguem a Cristo com mansidão, e com temor, e com muito tremor, observe:

[1] Como o seu caso é descrito aqui, eles são como a cana quebrada e o marrão que fumega. Os iniciantes na religião são fracos como uma cana quebrada, e a sua fraqueza parece um marrão fumegante; eles têm um pouco ele vida, mas é como a de uma cana quebrada; eles têm algum calor, mas é como o ele um marrão fumegante. Os discípulos de Cristo eram ainda fracos, e há muitas pessoas assim que têm lugar na sua família. A graça e a bondade neles são como uma cana quebrada; a corrupção e a maldade neles são como um morrão fumegante, como o pavio de uma vela quando é apagada e ainda fumega.

[2] Qual é a compaixão do nosso Senhor Jesus por eles? Ele não os desencoraja, e muito menos os rejeita ou os afasta; a cana que está quebrada não será esmagada e pisoteada, mas será sustentada, e ficará forte como um cedro ou uma palmeira próspera. A vela recentemente acesa, embora somente fumegue e não tenha chama, não será apagada, mas soprada para alimentar a chama. O dia das pequenas coisas é o dia das coisas preciosas, e por isso Ele não o desprezará, mas fará dele o dia das grandes coisas (Zacarias 4.10). Nosso Senhor Jesus lida com muita ternura com aqueles que têm a verdadeira graça, ainda que sejam fracos (Isaias 40.11; Hebreus 5.2). Ele se lembra não somente de que somos pó, mas também de que somos carne.

[3] O bom resultado e o sucesso que é dado a entender, até que Ele transforme o juízo em vitória. Aquele juízo que Ele anunciou aos gentios será vitorioso, Ele saiu vitorioso e para vencer (Apocalipse 6.2). Tanto a pregação do Evangelho no mundo como o poder do Evangelho no coração irão vencer. A graça conseguirá dominar a corrupção, e finalmente se aperfeiçoará na glória. O juízo de Cristo produzirá a vitória, pois quando Ele julgar, Ele vencerá. Ele, em verdade, produzirá o juízo, e assim será (Isaias 42.3). A verdade e a vitória são praticamente a mesma coisa, pois grande é a verdade, e ela vencerá.

Anúncios

Autor: Vocacionados

Sou evangélico, casado, presbítero, professor, palestrante, tenho 4 filhos sendo 02 homens (Rafael e Rodrigo) e 2 mulheres (Jéssica e Emanuelle), sou um profundo estudioso das escrituras e de tudo o que se relacione ao Criador.